Blog UOL Esporte vê TV

Arquivo : cleber machado

‘Balada’ dificulta trabalho de repórter do UFC, e Cleber faz graça
Comentários Comente

UOL Esporte


Nesta madrugada de UFC na Globo, pouco antes da transmissão do combate entre o brasileiro Lyoto Machida e o cubano Yoel Romero, pela categoria dos médios, o narrador Cleber Machado brincou com o sofrimento do repórter Cesar Augusto que foi chamado por ele a falar ao vivo em meio a um som altíssimo no local do evento, o Seminole Hard Rock Hotel e Cassino de Hollywood (perto de Miami).

Cleber-balada-reporter_Reproducao-TVGlobo“Beleza Cesar Augusto, trazendo as informações. Então o Anderson ainda tem pouco mais de um mês para apresentar essa nova defesa e aguardar o resultado da comissão do UFC”, disse Cleber, sobre o trabalho árduo do colega para depois comentar: “e você viu que entre uma luta e outra, para quem gosta de uma balada o som é bacana por lá.”

O repórter da Globo falava nos Estados Unidos sobre uma possibilidade de Spider e seus advogados tentarem não uma absolvição do caso de doping, mas ao menos atenuar a pena, isso baseados em um segundo exame descoberto, não anexado ao processo, cujo resultado deu negativo. Teriam até o dia 7 de agosto para apresentar essa defesa.

Rogerio Jovaneli
Do UOL, em São Paulo


Globo transmite ao vivo luta de Machida no caótico UFC de Miami
Comentários Comente

UOL Esporte

UFC bagunçado tem Lyoto tentando manter respeito na categoria

Em meio a más notícias no bagunçado UFC de Miami – sem as finais do TUF Brasil 4 em função do imbróglio técnico dos EUA para a emissão dos vistos aos brasileiros – , um aspecto positivo: o combate entre o brasileiro Lyoto Machida e o cubano Yoel Romero, pela categoria dos médios, será transmitida ao vivo pela Rede Globo na madrugada de sábado para domingo (pouco antes da 1h), logo após o programa Altas Horas. Sem aquilo de exibição 30 minutos depois da realização do evento, portanto, como é previsto em contrato para cards no exterior.

A narração será de Cleber Machado e os comentários do lutador Júnior Cigano. Ambos iriam para o local da luta (Seminole Hard Rock Hotel e Cassino de Hollywood, a 30 minutos de Miami), dentro de toda uma ideia da emissora de se fazer uma cobertura especial, mas com a não realização das finais do TUF 4 por lá, remanejadas para o UFC 190, no Rio de Janeiro, o plano foi cancelado.

A Globo ainda promete exibir o duelo entre o americano Eddie Gordon “Truck” e o brasileiro Antônio Carlos Júnior “Cara de Sapato”, na categoria peso médio, possivelmente também ao vivo (vai depender do horário da luta).

Rogerio Jovaneli
Do UOL, em São Paulo


Cleber Machado detona astros “paparicados” e vê futebol brasileiro obsoleto
Comentários Comente

UOL Esporte

Cleber-Jo_Reproducao-TVGlobo

O narrador Cleber Machado participou na madrugada desta terça para quarta-feira do Programa do Jô e deu opiniões contundentes sobre a atual fase do futebol brasileiro e sobre os escândalos de corrupção descobertos em investigação que se tornou pública no último mês de maio. Para ele o futebol brasileiro está perdendo a identidade. O locutor da TV Globo não mencionou Neymar, mas criticou de uma maneira geral a característica da geração de jogadores do país.

“De um tempo pra cá são todos estrelas, o fone, todo o entorno, tem assessor, tem não sei o quê, viraram tão estrelas que acabam sendo paparicados, acabam sendo salvador da pátria. Agora, se o Brasil ganhar a Copa América sem o Neymar, a gente pode abrir mão do Neymar? Nunca. E se perder ele é culpado?”, levantou a questão ali.

“Tenho a impressão – e falei isso outro dia para o Oscar Schmidt, e ele acha que não – que o Neymar nervoso, principalmente contra a Colômbia… Será que ele não sente que o negócio não tá andando e que precisa resolver tudo sozinho? E que aí, quando começa a não rolar, ‘se eu não pegar essa bola aqui, driblar quatro e fazer o gol’… Lógico que ele nunca vai falar isso em público, mas acho que o nosso time é limitado, normal”, acrescentou.

Dizendo-se fã de Zico, o narrador disse considerar possível que Neymar chegue ao nível do Galinho na sua carreira. “Ele não é o Pelé, ninguém é o Pelé. Pode vir a ser um cara do nível do Zico, do Garrincha, eu sou absolutamente fã do Zico, ninguém foi melhor que o Zico pra mim. É nível Maradona, Cruyff, Platini. O Rivellino jogava pouco?”, brincou com Jô.

Analisando o que se joga atualmente, Cleber disse na atração que vê os grandes times do futebol mundial e mesmo seleções internacionais atuando mais ou menos como o Brasil costumava jogar em seus melhores tempos, um jogo moderno, enquanto o Brasil, segundo ele, está preso a um futebol obsoleto, ultrapassado, de décadas passadas.

“A gente tá ainda lá na década de 90. Sabe Mauro Silva e Dunga? Foram bem na Copa do Mundo de 94, ganharam, mas a seleção encantou? Não encantou. Aí depois os outros países vão melhorando, voltando a ter meio-campistas que sabem jogar bola, lateral que não precisa atacar toda hora e a gente continua com aquela visão: ‘não, o meio-campo marca, cobre lateral que ataca’. E aí o jogo não anda”, avaliou.

Apesar dessa análise, o narrador da Globo poupou o técnico Dunga, visto por ele hoje como um profissional mais atualizado, evoluído em relação à primeira passagem dele como técnico da Seleção, entre 2006 e 2010. “O Dunga foi uma surpresa lá em 2007 quando foi escolhido para ser o treinador. Em 2010 ele perde um jogo na Copa do Mundo e é demitido, aí ele volta agora e me parece que nesse período o Dunga deu uma conversada, uma atualizada”, opinou.

Sobre o escândalo da Fifa, Cleber Machado disse que aquilo não surpreendeu a ninguém e considerou a reação muito tímida após as prisões dos dirigentes ligados à entidade, entre eles o ex-presidente da CBF, José Maria Marin.

“Precisava ver o que vai acontecer. A gente tem que ter esperança que as coisas possam melhorar, de aproveitar o momento para arejar o futebol, mas eu achei que as reações foram muito tímidas aqui no Brasil e no mundo inteiro. O Platini, presidente da Uefa, bateu um pouquinho, foi um grande jogador, mas não sei, precisa ver como vai ser a próxima eleição. Os candidatos parecem de um naipe diferente, se rolar Zico, Platini, agora o Maradona falou que vai se lançar, se esses caras estiverem bem preparados, bem intencionados e montarem uma equipe legal de trabalho… Porque o futebol não vai perder a paixão, o interesse, mas perde a credibilidade, né?”, enfatizou na entrevista ao talk show da Globo.

Rogerio Jovaneli
Do UOL, em São Paulo


Burti brinca com narrador antes de F1: ‘hoje não, hoje sim, Cleber’
Comentários Comente

UOL Esporte

(Crédito: Reprodução)

(Crédito: Reprodução)

O comentarista Luciano Burti brincou com o colega Cleber Machado, antes e depois do Grande Prêmio da Áustria de Fórmula 1 neste domingo, prova marcante na carreira de Cleber pelo episódio de 2002 quando o brasileiro Rubens Barrichello, obedecendo à ordem da Ferrari, cedeu a vitória nos últimos metros ao então companheiro de equipe, o alemão Michael Schumacher.

Relembrando o episódio, Burti primeiro mandou o seguinte recado antes da corrida em seu Instagram: “hoje não, hoje não…” 😉 Hoje sim, Cleber! Logo mais começa o GP da Áustria #F1 confira!”

Depois, após a corrida, celebrando o terceiro lugar do piloto brasileiro Felipe Massa, da Williams, escreveu na rede social: “viu só? ‘Hoje sim!’ Pódio do @massafelipe19 no GP da Áustria #F1.”

Além de Cleber e Burti, o comentarista Reginaldo Leme, os três do estúdio da Globo em São Paulo, e a repórter Mariana Becker, no local da corrida, participaram da transmissão da TV Globo neste domingo.

Abaixo, a famosa narração do “hoje não, hoje não, hoje sim, hoje sim?!!” de Cleber Machado naquele GP da Áustria há 13 anos:

Rogério Jovaneli
Do UOL, em São Paulo


Cleber Machado fica de fora de clássico e revê “GP hoje não, hoje não”
Comentários Comente

UOL Esporte

Repordução

Repordução

Com Galvão Bueno na Copa América do Chile (fará Brasil x Venezuela, domingo, às 18h30), a Rede Globo decidiu escalar Cleber Machado para a transmissão do Grande Prêmio da Áustria de Fórmula 1 neste fim de semana. Largada no domingo, às 9h.

Cleber, geralmente o titular do futebol paulista na tela da Globo, será substituído por Luis Roberto no clássico de sábado, 16h30, entre Santos e Corinthians (antes, narrará na madrugada de sexta para sábado Brasil x Sérvia, final do Mundial Sub-20).

GP da Áustria que é marcante na carreira de Cleber Machado. Há 13 anos, foi dele a histórica narração do “hoje não, hoje não, hoje sim, hoje sim?!!” nessa mesmíssima prova, quando, na derradeira volta, obedecendo a ordens da Ferrari, o brasileiro Rubens Barrichello deixou o então companheiro de equipe Michael Schumacher passá-lo e ficar com a vitória naquela corrida de 12/5/2002. Ele também narrou o GP austríaco do ano seguinte e agora volta a ancorar a sua transmissão.

Curiosamente, o episódio da polêmica troca de posições só ocorreu graças ao comentarista daquele GP, Reginaldo Leme, segundo relato do Cleber ano passado no programa Linha de Chegada. “Ficou meio dividido. Algumas pessoas acham que foi muito legal, que foi espontâneo, outras acham que foi horrível, ridículo, gafe. Eu considero que foi espontâneo, porque, quando tenho oportunidade, eu conto que a culpa é sua [Reginaldo]”, disse, rindo, na época.

E relembrou a história: “um ano antes, em 2001, na mesma Áustria, o Barrichello tava em segundo, o Schumacher em terceiro e a Ferrari mandou eles trocarem de posição. Naquele ano, em 2002, era um momento do campeonato que aqueles pontos não fariam tanta diferença, como fizeram em 2001. Aí ele [Reginaldo Leme] falou: ‘preciso lembrar que no ano passado houve inversão de posições’. E eu falei: ‘neste ano eles não vão fazer isso’. E ele: ‘eu não apostaria’. E eu disse: ‘então eu vou apostar. Não vão fazer isso. Eles não vão tirar a vitória do Barrichello’.”

“Quando entrou na última volta, comecei a falar: ‘ano passado aconteceu isso, neste ano o Barrichello dominou e acho que hoje não’, aí Barrichello freia e o cara passa. Falei ‘pô, hoje sim’.”

Além de Cleber, estarão na transmissão de domingo da corrida, falando direto dos estúdios da emissora em São Paulo, o analista Reginaldo Leme e o ex-piloto comentarista Luciano Burti. No local da corrida estará só a repórter Mariana Becker.

Abaixo, o famoso “hoje não, hoje não, hoje sim, hoje sim?!!” daquele GP da Áustria em 2002 que marcou definitivamente a vida de Cleber Machado na narração pela Globo:


Globo fará cobertura especial da final do TUF, com Cleber Machado nos EUA
Comentários Comente

UOL Esporte

Diferentemente do habitual em suas transmissões de eventos do UFC realizados fora do Brasil, a Globo prepara uma cobertura especial, inédita, com narrador e comentarista in loco nos Estados Unidos para a edição do UFC que contém disputa da final do reality show The Ultimate Fighter Brasil 4. Cleber Machado e o analista convidado Júnior Cigano, ex-campeão dos pesados, estarão em Hollywood, no Seminole Hard Rock Hotel e Cassino (a 30 minutos de Miami)

Possivelmente, também irão aos Estados Unidos os técnicos da atração, Rodrigo Minotauro e Maurício Shogun, além do diretor J.B. Oliveira, o Boninho, justamente para cuidar dos detalhes referentes ao TUF Brasil. E deve ser montado até um estúdio caprichado no ginásio para comportar toda essa gente.

Além da final do TUF, o destaque é a luta que fecha a noite de MMA, entre o brasileiro Lyoto Machida e o cubano Yoel Romero.

Como o evento seria realizado originalmente em São Paulo, mas foi mudado de lugar por decisão do UFC, acredita-se que ele possa vir a ser transmitido ao vivo pela Globo, sem o “atraso de 30 minutos”, comuns nas edições no exterior. Vale lembrar que o TUF Brasil 4 também foi gravado fora do país, em Las Vegas.

Rogerio Jovaneli
Do UOL, em São Paulo

Leia também:
Anderson e musas não salvam, e audiência do 4º TUF Brasil segue em queda
Final do TUF muda para Miami. Lyoto faz luta principal contra 6º do ranking


Galvão já curte Berlim antes de final da Liga; Cleber narrará seleção
Comentários Comente

UOL Esporte

Reprodução/Instagram

Reprodução/Instagram

A TV Globo confirmou que Galvão Bueno e o repórter Marcos Uchôa estarão em Berlim para a transmissão do sábado da final da Liga dos Campeões da Europa. E que o ex-jogador Júnior e o analista de arbitragem Arnaldo Cezar Coelho farão os comentários em Barcelona x Juventus do estúdio da emissora em São Paulo.

O próprio Galvão fez questão de mostrar que está no local da grande finalíssima ao postar fotos em seu Instagram fotos da capital alemã. “Só em Berlim para encontrar um Wiener Schnitzel desse! Cheguei para a final da Champions!”, escreveu na quarta, ilustrando imagem de um bife à milanesa da culinária austríaca.

Há outra postagem do narrador na rede social, de um ponto turístico de Berlim. “Memorial do Holocausto na antiga Berlim Oriental. Que o mundo jamais volte a viver uma vergonha igual”, escreveu ao publicar a foto.

Cleber narra Seleção (sem Neymar)

Com Galvão a serviço da Champions, na Alemanha, caberá a Cleber Machado narrar o amistoso da Seleção Brasileira, domingo, contra o México, às 17h (horário de Brasília), logo depois de Luís Roberto, Reginaldo Leme e Luciano Burti transmitirem o GP do Canadá de Fórmula 1 (largada às 15h). O jogo faz é um preparatório da equipe de Dunga para a disputa da Copa América do Chile.

Caio Ribeiro (que terá jornada dupla, a exemplo de Cleber, pois ambos trabalharão em Joinville x Corinthians, jogo da TV do Brasileirão excepcionalmente às 22h de sábado), Júnior, Arnaldo Cézar Coelho e o repórter Mauro Naves também estarão na jornada da Seleção, sem Neymar, o que torna bem curiosa essa rara ausência de Galvão para narrar o Brasil. O fato é que o craque brasileiro jogará a decisão da Liga dos Campeões no dia anterior.


Comentarista revela “bolhas no traseiro” na transmissão da F-1
Comentários Comente

UOL Esporte

Créditos: Instagram/Reprodução

Burti posa ao lado de Barrichello nos tempos em que dividia a cabine de transmissão da Globo com o atual campeão da Stock Car

O comentarista da TV Globo e ex-piloto da Fórmula 1, Luciano Burti, fez uma revelação no mínimo inusitada durante a transmissão da terceira etapa do campeonato da categoria, nesta madrugada, na China. O atualmente piloto da Stock Car contou ter sofrido com bolhas nas nádegas devido ao excesso de calor no cockpit.

O comentarista falava sobre as reclamações de alguns pilotos de que o assento estava quente demais e lembrou de um ‘incidente’ que ocorreu quando corria pela Jaguar. “Aconteceu comigo no GP do Canadá, em 2001. O banco esquentou e chegou a formar bolhas no traseiro.”

A revelação provocou risos de Reginaldo Leme e do narrador Cléber Machado. Burti, então, tentou se justificar, dizendo que não era algo fora do comum na Fórmula 1. “Não é brincadeira, esquenta de verdade! Inclusive já vi o Rubinho [Barrichello] tenho o mesmo tipo de problema”, garantiu.

Rindo, Cléber pediu que o comentarista se acalmasse.

O assunto surgiu devido à reclamação de Lewis Hamilton, da Mercedes, que chegou a pedir para a equipe trocar seu assento devido ao calor. Felipe Massa, da Williams, também teve problemas, interrompendo uma sequência de voltas no treino livre devido à fumaça que se instalou em seu cockpit.

Ambos os problemas têm a mesma origem: uma alteração feita no regulamento deste ano previu a instalação de uma placa de titânio no assoalho dos carros para gerar faíscas, reproduzindo um efeito visual que ficou famoso nos anos 1980. Contudo, quando os carros passaram pela maior reta do calendário, na China, a placa acabou superaquecendo-se em alguns carros e o calor passou a entrar no cockpit, causando as queixas.

Para encerrar o assunto, Cléber ponderou. “Esse negócio de espetáculo para o público tem o seu limite.”


Relembre as parcerias esportivas mais marcantes da TV e vote na melhor
Comentários Comente

UOL Esporte

Há duplas de ataque famosas como Pelé e Coutinho. Certeiras como Michael Jordan e Scottie Pippen. Ou as que fazem fama pelas brigas acirradas, como Ayrton Senna e Alain Prost. Na TV, não é diferente. Apresentadores, narradores e comentaristas na maioria das vezes não brilham sozinhos. E, neste post, lembramos algumas das tabelinhas mais marcantes das transmissões esportivas brasileiras.

Das três décadas de Galvão Bueno e Reginaldo Leme aos mais jovens Tiago Leifert e Caio Ribeiro, há espaço para todo estilo de personalidades.

Confira abaixo as duplas e vote em qual mais te marcou do outro lado das telas.

Leia também:
– Galvão foi comentarista e narrou jogo errado. Veja histórias dele em Copas
– Antes e depois: Do Valle narrou golaços e já chamou Band de Globo
– Cléber Machado se destaca por poucos bordões e muitas gafes; ouça narrações


Cleber Machado omite Globo e ‘culpa’ FPF por jogo do Corinthians
Comentários Comente

UOL Esporte

O Corinthians não queria que o jogo contra a Ponte Preta ocorresse, e culpou a FPF (Federação Paulista de Futebol) e a Globo pelo veto. Na abertura da transmissão da partida, porém, o narrador Cleber Machado contou o caso deixando toda a culpa com os cartolas.

“O Corinthians pediu à Federação Paulista para que o jogo fosse adiado, mas a federação bateu o pé, e nessas negociações decidiu-se pela realização da partida”, disse o narrador, antes mesmo do apito inicial.

Durante a partida, Cleber Machado ainda manteve o discurso. “Repito que os jogadores pediram que o jogo fosse adiado. O Corinthians entrou em contato com a federação, que disse que o jogo precisava ser realizado e a partida está acontecendo. Dá até para entender o lado do Corinthians de pedir o adiamento da partida”, disse ele.

Na verdade, a Globo participou da negociação e foi o principal empecilho para o veto. Embora a FPF tenha alegado problemas de calendário para operar a mudança, a transmissão na TV aberta pesou, como o próprio Corinthians destacou.

“Ainda com latentes marcas da selvageria ocorrida ontem no CT Joaquim Grava, quando funcionários, jogadores e membros da comissão técnica foram agredidos e ameaçados, a direção do clube tentou impedir a realização da partida como forma de preservar e proteger a todos. Entretanto, segundo a Federação Paulista de Futebol e a TV Globo, não era possível fazer o adiamento do jogo já que diversos compromissos envolviam a questão”, disse a nota oficial do clube.

O pedido do clube se deve ao estado psicológico dos jogadores após um dia de terror no CT Joaquim Grava, em que mais de cem torcedores invadiram o local para ameaçar os jogadores. Guerrero, segundo o presidente Mário Gobbi, chegou a ser agredido.

Crédito da foto: UOL

LEIA TAMBÉM:

Globo e Federação Paulista ‘forçam’ Corinthians a jogar após invasão
Guerrero foi agredido por torcedores. Saiba detalhes da invasão ao CT
‘Estou me sentindo um lixo e deprimido’, diz presidente do Corinthians