Topo
UOL Esporte vê TV

UOL Esporte vê TV

Dos grandes narradores que admiro, nenhum grita

UOL Esporte

2023-02-20T16:06:00

23/02/2016 06h00

Henning
Mauricio Stycer
Colunista do UOL

Aprendi muito sobre futebol ouvindo jogos narrados pelo rádio. Nos anos 70, os principais narradores no Rio eram Jorge Curi (1920-1985) e Waldir Amaral (1926-1997).

O primeiro era dono do grito de gol mais potente e longo que já ouvi (ainda mais se fosse gol do Flamengo). Mas só gritava nessa hora. O segundo era uma espécie de narrador-cronista, descrevia uma partida como se estivesse escrevendo um texto (o autor do gol era um "indivíduo competente").

Na televisão, o primeiro narrador a me marcar foi Geraldo José de Almeida (1919-1976). Vibrava a cada jogada bonita: "Linda! Linda! Linda". E dividia com o espectador as suas surpresas: "Que que é isso, minha gente?"

É verdade que o futebol mais cadenciado nos anos 70 permitia aos narradores respirar um pouco mais, o que deixava as narrações mais elegantes, talvez. Isso mudou à medida em que o futebol foi ficando mais veloz, e os narradores obrigados a falar mais palavras por minutos.

Ainda assim, grandes narradores que vieram depois, como José Carlos Araujo e Osmar Santos, por exemplo, acrescentaram velocidade à narração, mas raramente recorreram à gritaria. Outros, como Januário de Oliveira ("Ta lá um corpo estendido no chão") e Silvio Luiz ("Pelas barbas do profeta"), introduziram humor e picardia aos jogos mais aborrecidos.

Isso para não falar de Galvão Bueno, que se intitula um "vendedor de emoções". O principal narrador da Globo há quase três décadas é capaz de transformar o jogo mais chato do mundo numa transmissão divertida. Sem gritar.

Faço este longo preâmbulo para falar de Andre Henning. Só fui apresentado às suas narrações em 2016, quando o Esporte Interativo passou a fazer parte da grade da NET. Estou dez anos atrasado e peço desculpas pela minha falha.

O narrador do EI parece trabalhar sentado em uma cadeira elétrica. Ele grita em toda e qualquer situação. "Cartão amarelo!!!!!!!!!!!! David Luiz!!!!", explode Henning. "Lateral para o Chelsea!!!!!!!!!!!!!!", comemora o narrador. E assim vai, o jogo inteiro, gritando emocionado ao descrever enfiadas de bola mal-sucedidas, chutes para fora e faltas, violentas ou não.

Em entrevista ao UOL Esporte, publicada horas antes do primeiro jogo das oitavas-de-final da Liga dos Campeões da Europa, Henning afirmou: "Posso garantir que aqui não tem 'forçação de barra' na dose da emoção. A gente narra, transmite aquilo que realmente estamos sentindo". Não é o que se ouve durante as suas transmissões.

Divido os narradores em dois times, os talentosos e os que gritam. Neste segundo time, me sinto obrigado a dizer que não conhecia ninguém com a força de André Henning.

 

 

 

 

Leia também: 

André Henning, do EI: "aqui não tem forçação de barra de emoção"

Sobre o Blog

A TV exibe e debate o esporte. Aqui, o UOL Esporte discute a TV: programas esportivos, transmissões, mesas-redondas, narradores, apresentadores e comentaristas são o assunto.

Mais UOL Esporte vê TV