PUBLICIDADE
Topo

UOL Esporte vê TV

Sombra de Fátima Bernardes "boleira" atrapalha Patricia Poeta

UOL Esporte

27/06/2014 09h16

fatima patricia copa

Bem na noite de sua estreia como âncora itinerante do "Jornal Nacional" na Copa do Mundo, Patricia Poeta foi flagrada bufando. O momento mereceu, dois dias depois, uma explicação – a apresentadora estava fazendo um exercício para a voz, sugerido por sua fonoaudióloga.

Achei a explicação bem convincente, mas não adiantou. A força da imagem é maior que a possível verdade. Patricia Poeta parece entediada no papel que foi incumbida de fazer. Ancorar o "JN" em pé, sendo obrigada a sorrir para Galvão Bueno ao seu lado, não deve ser tarefa fácil.

A situação em que surge diariamente na tela soa muito artificial. Patricia Poeta saiu do estúdio, mas o estúdio parece continuar a enquadrando. O seu jogral diário com Galvão, os sorrisos, a troca de olhares, o teatro todo dos dois lembra muito o que ela faz na bancada do telejornal, ao lado de Bonner.

Para piorar, existe a sombra de Fátima Bernardes. Sua antecessora foi repórter na Copa de 94 e desempenhou o papel que Patricia cumpre agora em três outros Mundiais, entre 2002 e 2010. Neste último, sofreu nas mãos do técnico Dunga, a quem se credita a deselegância de deixá-la ao relento esperando por uma entrevista.

Mas na conquista do penta e na Copa seguinte, eventos em que a Globo teve acesso total e privilegiado à seleção brasileira, Fátima nadou de braçada. No dia em que Cafu levantou a taça em Yokohoma, a apresentadora saiu do estádio no ônibus da seleção.

O zagueiro Lucio, com a taça na mão, diz para ela: "Vamos entregar aqui para a musa da seleção brasileira". Segurando o troféu, e rindo solto, Fátima responde: "Gente, é pesada demais… Linda!!! Adorei!" E, na sequência, devolve a taça a Cafu, que aplaudia a cena.

Naquela Copa, Fátima conta que, em seu primeiro dia, ancorou o "JN" de dentro de um estúdio, mas no dia seguinte abandonou o local e passou a aparecer o mais próximo possível da seleção brasileira, em saguões de hotéis, aeroportos etc. Dai surgiu o bordão de William Bonner: "Onde está você, Fátima Bernardes?"

Além das facilidades concedidas pela CBF à Globo, Fátima sempre se valeu da própria simpatia, da curiosidade de repórter e de algo essencial nestas situações: medo nenhum do ridículo.

Patricia Poeta se ressente disso tudo. Ainda que a Globo tenha restabelecido a proximidade com a seleção, perdida na Era Dunga, o contato não é mais tão intenso (em 2002, por exemplo, Fátima entrevistou Ronaldo dentro de um quarto de hotel do jogador).

Além disso, a nova apresentadora parece menos disposta a se envolver em situações constrangedoras e, também, não demonstra intimidade com o tema do futebol, como a sua antecessora.

Por tudo isso, a imagem de Patricia Poeta bocejando é tão forte e, salvo algum acidente, vai ficar como marca desta cobertura.

Mauricio Stycer
Do UOL, no Rio 

Sobre o Blog

A TV exibe e debate o esporte. Aqui, o UOL Esporte discute a TV: programas esportivos, transmissões, mesas-redondas, narradores, apresentadores e comentaristas são o assunto.

UOL Esporte vê TV