PUBLICIDADE
Topo

Galvão entra ao vivo na Band e lamenta morte de "maior concorrente"

UOL Esporte

19/04/2014 19h16

 

"Foram 37 anos disputando cada ponto da audiência esportiva brasileira na televisão". Foi assim que o narrador esportivo Galvão Bueno definiu a relação com Luciano do Valle, que morreu neste sábado. O titular da Globo entrou ao vivo no programa "Brasil Urgente", da TV Bandeirantes, e lamentou a morte do amigo.

"A televisão brasileira e a comunicação brasileira ficam mais pobres. Luciano é um marco para a história do país. Eu me orgulho de poder dizer que fui amigo, que eu concorri com ele e que eu aprendi com ele", disse Galvão.

Em conversa com o apresentador José Luiz Datena, Galvão mostrou estar emocionado com a morte de Luciano do Vale. O narrador titular da Bandeirantes foi acometido por um mal súbito neste sábado, em Uberlândia, quando se deslocava para transmitir o jogo Atlético-MG x Corinthians, válido pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro de 2014.

"Nós trabalhamos juntos durante quase um ano na Globo, e ele me ensinou muito. Para poder enfrentá-lo eu tive de me esforçar muito. Tive de me tornar mais conhecedor", declarou Galvão.

O atual número 1 da Globo começou como narrador na Bandeirantes. Na época, Luciano do Valle ocupava o principal posto entre os locutores da emissora carioca.

"Como vai ser fazer a Copa do Mundo sem tê-lo na outra linha? Vai ser difícil, cara. Como foi bom tê-lo como grande concorrente", finalizou Galvão.

A carreira de Luciano do Valle

Em 1963, Luciano do Valle começou carreira como locutor da Rádio Brasil, de Campinas (SP). Quatro anos depois, foi para São Paulo e passou a trabalhar na Rádio Gazeta , que foi um trampolim para a TV, em 1971. Luciano passou 11 anos na Globo e narrou não apenas futebol como boa parte das conquistas de Emerson Fittipaldi na Fórmula 1 – mais tarde o acompanharia na Fórmula Indy, com a Band.

Ele esteve na cobertura dos Jogos Olímpicos de Munique, em 1972, acompanhou do Rio a Copa da Alemanha, em 1974 e em seguida, com a saída de Geraldo José, tornou-se o principal locutor da Globo, numa época pré-Galvão Bueno.

Após sair da Globo em 1982, teve passagem pela Record e depois foi para a Bandeirantes, sendo também o responsável pela criação do "Show do Esporte", programa que durava até 11h no autointitulado "canal do esporte".

Luciano não teve sua importância apenas na narração. Ele também era um investidor. Ele foi um incentivador da Fórmula Indy, esteve nos bastidores do crescimento de Maguila como ícone do boxe e organizou o jogo de vôlei entre Brasil e União Soviética no Maracanã, em 1983.

Em 2013, completou 50 anos de carreira. Sua última narração ocorreu no último domingo: a final do Campeonato Paulista entre Santos e Ituano. Ele estaria na equipe da Band que cobriria a Copa do Mundo de 2014, no Brasil.

Curiosidades e polêmicas

Luciano também teve suas gafes e seus momentos de descontrole no ar. Um caso famoso foi quando em um jogo de 2010 ele acabou trocando o nome da Band pelo da Globo. Era um LDU x Fluminense: "começa o segundo tempo desta primeira partida da final da Copa Sul-Americana, que você acompanha com exclusividade aqui na Globo… Aqui na Bandeirantes, né? A Globo não está fazendo para São Paulo, é bom que você saiba", anunciou ele, para se corrigir como pôde.

Um caso mais polêmico aconteceu em 2008. Antes de uma partida entre Corinthians e Sport pela Copa do Brasil, ele criticou abertamente nomes como Milton Neves, Neto, Oscar Roberto de Godói e Flavio Prado e os profissionais sem diploma na TV. Chegou a dizer que transmitiria a partida porque era "obrigado". Mas o caso não teve grandes consequências e ele voltou atrás.

Narradores e comentaristas lamentam a morte do companheiro de profissão:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sobre o Blog

A TV exibe e debate o esporte. Aqui, o UOL Esporte discute a TV: programas esportivos, transmissões, mesas-redondas, narradores, apresentadores e comentaristas são o assunto.

UOL Esporte vê TV