Blog UOL Esporte vê TV

Arquivo : rede globo

Ronda encara apresentadora da Globo e diz: “tem que pagar para te machucar”
Comentários Comente

UOL Esporte

02
Campeã dos pesos galos do UFC, a norte-americana Ronda Rousey gravou um quadro do Esporte Espetacular durante sua passagem pelo Brasil. A lutadora subiu no octógono com Glenda Kozlowski e deu uma aula à apresentadora.

Ronda explicou como aplicar suas famosas chaves de braço e, esbanjando simpatia, falou sobre sua carreira e sua nova empreitada no cinema como atriz no filme Mercenários 3.

“Como foi meu o primeiro filme, trabalhando com todos aqueles astros, eu nem acreditava”, revelou a lutadora.

Em um momento em que as duas ficaram com a guarda alta, simulando a trocação, Ronda aproveitou para brincar com a apresentadora. “Não se preocupe, você tem que pagar milhões de dólares para eu te machucar”, disse a norte-americana.

No fim, Ronda e Glenda fizeram uma encarada igual às feitas nos eventos do UFC antes de caírem na gargalhada.

Após a exibição da reportagem, o apresentador Ivan Moré ainda aproveitou para fazer uma brincadeira. “Encarar com o rostinho assim [colado] eu até encararia”, disse.

01


Com Giba, Daiane e Maurren, Globo apresenta comentaristas para Rio-16
Comentários Comente

UOL Esporte

140803globo615

Imagem: Reprodução/Rede Globo

A Rede Globo apresentou neste domingo no Esporte Espetacular sua equipe de comentaristas para a Olimpíada de 2016. O time será formado por nove personalidades do esporte, reforçado com Giba, recém aposentado no vôlei. Destes, apenas Fabi e Maurren seguem em atividade como atleta.

Os nove comentaristas para os Jogos Olímpicos são: Giba, Tande e Fabi (para o vôlei), Daiane dos Santos (ginástica olímpica), Flávio Canto (judô), Hortência (basquete), Shelda (vôlei de praia), Gustavo Borges (natação) e Maurren Maggi (salto em distância).

A apresentadora Glenda Koslowski se emocionou um vídeo sobre o histórico dos novos comentaristas olímpicos.

“Como é que vai ser Olimpíada em casa?”, perguntou Glenda para a Hortência.

“Estou muito feliz, emocionada como você. Estarei em mais uma Olimpíada, agora não dentro da quadra, mas fora dela”, disse a Rainha do Basquete.

Na terça-feira faltarão exatos dois anos para o começo das Olimpíadas do Rio de Janeiro.


Leifert tira braço de ferro com ‘mais forte do mundo’. E vence
Comentários Comente

UOL Esporte

TIAGO

Tiago Leifert roubou a cena durante o Esporte Espetacular deste domingo. Escalado para transmitir um evento que reuniu os ‘atletas mais fortes do mundo’, o apresentador esbanjou bom humor e desafiou um dos grandalhões para a disputa de um braço de ferro.

Leifert resolveu desafiar o lituano Zydrunas Savickas, vencedor do Força Bruta, evento que testou a força dos enormes competidores.

Para ter uma chance, Leifert pediu para  começar com vantagem na disputa, já próximo de bater a mão do campeão contra a mesa.

Enquanto o apresentador visivelmente fazia muita força, o lituano simplesmente mantinha o braço estendido, sem se esforçar. No fim, o atleta permitiu a vitória de Leifert.

“Sabe de nada, inocente. Aqui é Tiago Leifert! Eu te disse, sou um cara muito intimidante. Foi por isso que me escolheram para esse evento, têm medo de mim. Eu, o homem mais forte do mundo, ao lado desses caras que são coadjuvantes”, brincou o apresentador.


De saia justa de Galvão a carta erótica; relembre as gafes do esporte na TV
Comentários Comente

UOL Esporte

2013 foi um ano repleto de transmissões esportivas na TV Brasileira. O UOL Esporte separou as gafes que deram o que falar e bombaram redes sociais durante o ano.

Teve palavrão de Milton Leite, carta erótica divulgada por engano, gargalhadas de Paulo Soares e torcedores colocando Galvão Bueno e Cléber Machado em ‘saias-justas’. Assista abaixo:


Repórter da Globo ataca de chargista e acorda até de madrugada para criar
Comentários Comente

UOL Esporte

Enquanto a maioria dos repórteres do Globo Esporte ataca os controles de videogame para desanuviar o estresse, Renato Peters saca uma caneta e pega papel. Já veterano na equipe, tendo chegado à redação de São Paulo em 2006, o jornalista reencontrou uma paixão da infância recentemente, voltou a desenhar apenas por diversão e, ao publicar em redes sociais seus desenhos, surpreendeu-se com o alcance a repercussão encontradas.

Leia também

  • Premiação tem bronca de diretor a Galvão em tom de brincadeira e ausências
  • Faustão usa briga no Brasileirão para criticar a Copa do Mundo

A brincadeira que pode virar carreira paralela não tem limitações, seja na criatividade quanto na produção. Um dia Peters pode rabiscar sobre as quedas de Vasco e Fluminense, e em outro retratar a violência no Brasil usando o caso da “Monica Parade”. As ideias, por sua vez, surgem ao acaso: durante o trabalho, nas horas de folga ou até no meio da noite.

“A criação é uma coisa meio louca. Às vezes minha mulher até briga comigo, porque saio da cama no meio da noite e começo a desenhar”, ri ele.

“Tem vezes que a ideia vem e em 20 minutos dá para terminar uma charge. Em outras, o primeiro desenho não fica bom e é preciso recomeçar. Dá para passar um dia inteiro nela. Inclusive teve uma vez que estava num jogo e rabisquei nos meus papéis de anotação mesmo uma ideia, para passar a limpo em casa. O processo é único para cada uma, baixa o espírito e eu faço.”

‘Jornalismo Leifert’ e Copa-2014

  • Arquivo PessoalPeters analisou o atual padrão do jornalismo esportivo, criado quando Tiago Leifert assumiu a direção do Globo Esporte, e comentou que não teve dificuldades com a liberdade dada aos profissionais de criar e ousar.”O Tiago trouxe uma nova linguagem, mudou o jeito de trabalhar e deu mais liberdade para termos outro tom. O Globo Esporte sempre informou levando entretenimento. E uma coisa legal da Globo é de manter as características de cada profissional. Para mim houve pouca mudança, eu sempre tentei colocar um molho mais engraçado, numa palavra, numa forma de trazer a informação.”

    Sua carreira tem como próximo grande desafio a Copa-2014, sua segunda. “Com certeza é especial sentir o clima de uma Copa, é diferente da brutalidade que temos aqui, com a rivalidade de times. O clima é diferente. Conhecemos nossos problemas e sabemos como as coisas precisarão sair por causa do prazo, mas vamos ver como acontecerá durante a competição.”

A chama do Peters desenhista reacendeu com o nascimento de seu filho. Ele havia parado com o lado artístico depois da faculdade, em que participava da criação de um gibi, e resolveu fazer um quadro para decorar o quarto da criança. Depois disso, não parou mais.

“Lá na TV o povo se desestressa no videogame. Os repórteres vão para o Playstation. Eu vou para o papel e caneta. E um dia postei uma charge de brincadeira no Twitter e o pessoal retuitou. Comecei então a postar mais, sem intenção, e as pessoas gostaram. É aquela força das redes sociais, em que as pessoas dão força, falam, elogiam e criticam”, contou ele, que se inspira no irmão, também um bom desenhista, e nomes ilustres como Chico Caruso, Angeli, Glauco e Pelicano.

Os temas são variados, Peters vê no Brasil um prato cheio para quem gosta de desenhar. Até porque as charges podem servir tanto para retratar situações cotidianas e curiosas quanto para apontar com bom humor os problemas da sociedade.

Ele o fez, por exemplo, para falar de brigas de torcida e até de flanelinhas. A inspiração vem das notícias mais quentes do dia, de cenas vistas na rua ou simplesmente aparecem em sua mente. Hoje ele tem até a facilidade de receber sugestões por quem o segue na internet.

A Globo, afirma Peters, incentiva que os profissionais tenham estas opções distantes do trabalho do dia a dia para os tempos de folga. E o jornalista até sonha alto. “Minha ideia é crescer. Se algum jornal quiser, de repente…”.

Maurício Dehò
Do UOL, em São Paulo


Esporte Espetacular celebra 40 anos com choro e gafe de apresentadores
Comentários Comente

UOL Esporte

glenda

O Esporte Espetacular comemorou na edição deste domingo seu aniversário de 40 anos. A atração contou com a participação de vários personagens que fizeram a história do programa, apresentou momentos curiosos e não escapou de uma gafe.

Os ex-apresentadores do programa Luís Ernestro Lacombe, Cris Dias, Lúciana Ávila, Mariana Becker, Léo Baptista, Isabela Scalabrini, Clayton Conservani e Tande se juntaram no estúdio aos titulares Glenda Kozlowski e Ivan Moré para celebrar a data festiva.

Em uma reportagem especial sobre sua participação na história do programa, Glenda se emocionou e não segurou as lágrimas. Destaque também para o irreverente Regis Rösing, que relembrou várias de suas coberturas. Ele encerrou a matéria com o rosto envelhecido, em efeito de computação gráfica, ao projetar os próximos 40 anos da atração.

A gafe ficou por conta de Ivan Moré, em uma tentativa desastrada de ajudar Léo Baptista a chamar uma das reportagens. “É só ler no teleprompter, aquela máquina ali”, disse o apresentador, em desnecessária explicação ao veterano.

* Crédito da foto: Reprodução/TV Globo


No Dia das Crianças, Galvão Bueno compara Neymar a jogo de varetas
Comentários Comente

UOL Esporte

Galvão Bueno estava no clima de Dia das Crianças durante a transmissão do amistoso entre Brasil e Coreia do Sul, na manhã deste sábado. O narrador exaltou em diversos momentos a data comemorativa e ainda fez uma curiosa comparação envolvendo o atacante Neymar.

Na tentativa de defender o camisa 10 da seleção das críticas de ‘cai-cai’, Galvão comparou Neymar a um jogo de varetas, clássico brinquedo infantil que consiste em tirar uma vareta sem movimentar as demais.

“Quando você bate nas varetas, elas vão caindo. A vareta solta você pode bater à vontade, mas quando está presa no chão ela quebra”, disse o narrador.

Preocupado em ser didático, Galvão e o repórter Mauro Naves fizeram uma longa explicação sobre as regras do jogo de varetas, citando em diversos momentos a data festiva.

No início da transmissão, o narrador global ainda tentou fazer uma analogia entre o esporte e as crianças, afirmando que a prática esportiva está presente desde o início da infância.

“A criança começa a praticar esporte desde pequena. Quando começa a andar é a primeira vitória”, filosofou Galvão.


Jornalistas relembram pegadinhas ao vivo com nomes de duplo sentido
Comentários Comente

UOL Esporte

Bruno Thadeu
Do UOL, em São Paulo

Narradores, comentaristas e apresentadores de programas esportivos tentam se proteger contra mensagens capciosas enviadas pelo público. Muitos jornalistas já caíram na “pegadinha” e leram no ar nomes com duplo sentido. Paulo Soares, o Amigão, da ESPN Brasil, Milton Neves, da Band, e Luís Roberto, da TV Globo, pertencem à lista dos que cometeram gafes do gênero.

O apresentador Milton Neves diz ter caído mais de 10 vezes em pegadinhas de duplo sentido. A mais recente aconteceu quando Milton analisou o jogador japonês Kudo.

 

“Na época de Copa das Confederações, eu estava comentando sobre um jogador chamado Kudo, do Japão. Um ouvinte, bem espertinho, me perguntou sobre o Endo, que havia ficado fora da competição. Eu nem percebi quando ele perguntou se eu também considerava a dupla Kudo/Endo melhor que Pelé e Coutinho. Na hora achei que a zoeira estava em comparar o Kudo e Endo com Pelé e Coutinho. Só depois eu percebi que a ideia era fazer graça com a junção dos nomes”, disse Milton Neves.

Ao Tomas Turbando Soares, de Limeira…Um abraço para você

Apresentador da ESPN, Paulo Soares, o Amigão, mandou abraço para internauta

“Está muito manjado Paula Tejando, Tomás Turbando. Essas aí eu não caio mais”, completou.

Companheiro de programa na rádio Bandeirantes, Mauro Beting ironiza Milton e relembra outra passagem no qual ocorreu a cacofonia.

“O Milton Neves é o campeão mundial em cair nessas pegadinhas. Eu alertei ele quando chegou a pergunta do Oscar Alho, mas mesmo assim ele não notou a pegadinha. Ele achou que a pegadinha era o ‘sobrenome’ Alho, perguntando se a mensagem não seria do ‘Oscar Cebola’ ou do ‘Oscar Cenoura’. Ele já mandou abraço para ouvinte de ‘Cudomundópolis’”, relembra Mauro Beting.

Sobrenome japonês é um perigo, alerta Beting. “Já caiu email da Paula Noku. Mas esse percebemos antes de ir ao ar”.

“Tinha um jogador do Corinthians nos anos 90 que se chamava Embu. O narrador, sem perceber, lançou durante o jogo um ‘Embu centrou na área’. Percebi na hora e avisei, mas já era tarde. Combinamos ali mesmo na cabine que ‘Embu’ não combinava com ‘centrou’. Ficamos rindo depois”, completou Mauro Beting.

Na época de Copa das Confederações, eu analisei um jogador chamado Kudo, do Japão. Um ouvinte, bem espertinho, me perguntou sobre o Endo, que havia ficado fora da competição. Eu nem percebi quando ele perguntou se eu considerava a dupla Kudo/Endo melhor que Pelé e Coutinho

Milton Neves, reconhecendo ter caído em pegadinha feita por ouvinte

Responsável pelos e-mails dos programas esportivos da TV Gazeta, Michelle Giannella admite ter caído em pegadinhas e entende que programas ao vivo e com grande volume de perguntas costumam facilitam a chegada desses e-mails ao ar. Ela afirma ter desenvolvido uma tática para evitar gafes.

“Antes de ler a pergunta, eu falo em voz alta o nome e sobrenome da pessoa. Assim evita uma cacofonia. Eu já caí nessas pegadinhas. Estou mais esperta. Eu evito ler e-mail de qualquer Paula”, sorriu Michelle.

Apresentador do “Redação Sportv” e observador dos emails do programa, André Rizek diz não haver filtragem das mensagens e que nunca caiu nessas pegadinhas.

“O programa recebe muitos emails, mas nunca vi ou li algum desses nomes. Vou te falar que as mensagens mais ajudam do que prejudicam. Foi de uma ideia de internauta que criamos o prêmio Alberto Roberto (à melhor simulação de atleta)”.

Transmissão da Globo cortou sobrenome de internautas, evitando duplo sentido. Em 2008, caractereres apresentaram ‘telespectadora’ Paula Tejando em jogo de futsal exibido pela emissora

Crédito da foto: Reprodução TV Globo

Globo corta sobrenome para evitar gafes

Os nomes de duplo sentidos são mal vistos na Rede Globo. Tanto que para se prevenir a emissora cortou sobrenomes dos internautas nas transmissões dos jogos de futebol. Apenas o primeiro nome é exibido nos caracteres nas perguntas dos internautas.

Desta forma, a emissora carioca evita gafe como a ocorrida em 2008, quando o narrador Luis Roberto leu uma pergunta da “telespectadora” Paula Tejando em transmissão do futsal.

O veto de sobrenomes nas transmissões de jogos da Globo, além de cortar novas “Paulas Tejando”, também evita que pessoas principalmente de cidades pequenas usem os espaços nas transmissões para se promover.

Candidatos a cargos políticos bombardeavam a caixa de mensagem da emissora com perguntas apenas para terem seu nome e sobrenome exibidos durante os jogos. A aparição nos caracteres gerava promoção gratuita.


Apatia santista em goleada revolta Galvão e comentaristas da Globo
Comentários Comente

UOL Esporte

A atuação do Santos na goleada sofrida diante do Barcelona por 8 a 0 revoltou os responsáveis pela transmissão da Globo na tarde desta sexta-feira. O narrador Galvão Bueno, os comentaristas Casagrande e Caio Ribeiro, e até mesmo Arnaldo César Coelho criticaram duramente a apatia dos atletas brasileiros na derrota ante do time espanhol.

Acostumado a comentários ponderados, longe de polêmicas, Caio Ribeiro foi o mais incisivo ao analisar a atuação do Santos, que já perdia por 4 a 0 antes do intervalo. Para o comentarista, a apatia apresentada pelos atletas diante dos astros do Barcelona envergonhou o futebol brasileiro.

“Você está levando o nome do Santos, que é um time vencedor, de muita tradição. Se é para assistir [ao Barcelona jogar], é melhor não sair do país. A imagem que você está levando de seu país é muito feia”, disse Caio. “O Barcelona é fantástico, mas 8 a 0 é muita coisa. A postura é o que mais me incomoda”.

Galvão Bueno usou a participação do Brasil na Copa das Confederações para criticar o Santos. Segundo o narrador, o absoluto domínio do Barcelona diante de um apático time brasileiro manchou a imagem que o país construiu durante a disputa do torneio entre seleções.

“É uma humilhação para o Santos, para o time de Pelé e de tanta gente. Virou brincadeira. Assim é muito ruim de se ver, o futebol brasileiro passar por isso. Virou festa de fim de semana”, reclamou o narrador, que se irritou ao ver Xavi passar com facilidade por vários defensores santistas. “Que que é isso gente, não pode fazer fila desse jeito”.

Até mesmo o comentarista de arbitragem Arnaldo César Coelho aproveitou uma de suas participações, ao falar sobre os acréscimos dados pelo juiz, para criticar a atuação do Santos.

“Podia acabar aos 45 minutos para não prorrogar esse vexame”, disse o ex-árbitro.