Blog UOL Esporte vê TV

Dança dos Famosos rende dores inéditas em músculos nunca usados por Maurren
Comentários 9

UOL Esporte

Maurren ganhou a melhor nota já na sua estreia no quadro – Ellen Soares/Globo/Divulgação

Às vésperas de encerrar sua carreira no atletismo, Maurren Maggi já viveu tudo o que o esporte pode proporcionar. Principalmente a exaustão da rotina pesada de treinos exigidos para uma campeã olímpica, como ela. Assim, vê-la em ação na Dança dos Famosos, do “Domingão do Faustão” parece moleza. Segundo ela, não é a realidade. A paulista, que surpreendeu com uma estreia muito elogiada pelo seu “suingue”, conta que está vivendo semanas tão duras quanto as que suportava antes, a ponto de descobrir músculos e dores inéditos.

Em entrevista ao blog, Maurren contou seus planos para a aposentadoria (leia abaixo) e explicou que a presença no programa a fez se dedicar completamente à dança, deixando o atletismo de lado, por enquanto. A saltadora, que se considera tímida, faz mais o estilo roqueiro e diz que não dançava com um par desde que aprendeu os passos do forró com seu avô, cego e hoje já falecido.

Foto: João Cotta/Divulgação/Globo

“Eu tenho zero prática. A última vez que tinha dançado com alguém tinha sido com meu avô, há uns 11 anos. Ele era cego, e eu aprendi com ele forró”, afirmou Maurren. O segredo para seu sucesso é simples, já que ela aprende fácil os passos e consegue ser conduzida com facilidade.

E foi assim sua estreia no quadro de Dança. A campeã olímpica foi a primeira colocada – superando favoritas como Viviane Araújo. Ela dançou um som eletrônico, “Heroes (We Could Be)” de Alesso, com o bailarino Roberto Motta. Ganhou elogios pelo molejo e o suingue, com jurados destacando que muitos dos atletas que tentam a sorte dançando tem o corpo duro.

“A Dança está tomando todo o meu tempo. Cansa muito, tanto que chego em casa depois do treino, durmo e só depois que acordo vou fazer minhas coisas. É exaustivo. É difícil comparar com o atletismo, mas também cansa bastante. É difícil, porque mexo muitos músculos que eu nem sabia que existiam. Tive dores musculares que nunca senti”, relata ela.

Superando a timidez

A saltadora diz que não é de sair muito para baladas, mas que gosta de chacoalhar o esqueleto com amigos e família.

“Eu sou tímida em relação a aparecer em publico pra fazer algo que nunca fiz na vida. Mas queria me divertir de verdade, abracei a causa. Eu não sabia se conseguiria dançar em público, achei que fosse me ferrar na primeira dança (risos), mas o coreógrafo é fantástico. Treinei com o Roberto Motta, uma pessoa incrível, sensacional, criativo. E não coloquei restrição para mim. O que eu não souber, aprendo. E foi muito bacana, estou muito motivada e até espantada que o público gostou de me ver dançando”.

A rotina de Maurren vem sendo treinar suas danças duas horas por dia, de terça a sábado, sendo que neste último já há prova de roupas e outros detalhes para que tudo esteja pronto no domingo.

Adeus às pistas aos 40

Maurren Maggi já sabe os planos para dar o adeus definitivo ao atletismo. A saltadora – beneficiária do Bolsa Atleta -, pretende fazer um último evento, especial e comemorativo, no mês de seu 40º aniversário, em junho de 2016.

“Quero fazer uma competição chamando amigas do atletismo. Medalhistas olímpicas, finalistas, grandes nomes do salto. Só gente top. Saltando ou não, quero a presença destas atletas top, como a Brittney Reese, com quem já cheguei a conversar. Então traria essas meninas para o Brasil para este evento em junho, quando completo 40 anos”, explicou.

Maurício Dehò
Do UOL, em São Paulo


Neto compara United a Corinthians e é criticado: “parece time do Tite”
Comentários 26

UOL Esporte

Na transmissão desta quarta da Band de Club Brugge x Manchester United, duelo valendo uma vaga à fase de grupos da Liga dos Campeões da Europa, Neto viu semelhanças entre a equipe comandada pelo holandês Louis van Gaal e o Corinthians, líder do Brasileirão. “Parece o time do Tite jogando'', comentou.

“É um time bem fechado, bem treinado, saindo no toque de bola'', completou o ex-jogador comentarista.

“O Depay joga do lado esquerdo, quase igual o Malcom. Volta pra marcar. O que o Luciano fazia'', insistiu Neto com a comparação, citando um dos atacantes do United no momento que ajudava na marcação, e lembrando de atletas do Timão.

Em outro comentário, sobre o meio-campista espanhol Juan Mata, Neto fez outra comparação, dessa vez com Renato Augusto, do Corinthians e ainda aproveitou para pedir sua convocação à Seleção.

“Olha só o Mata. Ele é um cara canhoto, mas ajuda na marcação, faz o passe com a perna direita, vem e joga na direita, sai do lado esquerdo, ele flutua no meio-campo de uma maneira inteligente, fica no meio pra fazer as jogadas. Pra falar a verdade, ele é o verdadeiro camisa 10, o articulador. Ele faz mais ou menos o que o Renato Augusto faz no Corinthians e que tá jogando muita bola há um bom tempo e merecia uma chance na Seleção Brasileira''

Inclusive, as frequentes menções de Neto a jogadores do Corinthians irritaram os telespectadores que foram às redes sociais para criticar o ex-jogador comentarista da Band:


R$ 1,3 bi por Neymar? Casão não aceita e daria outro destino ao dinheiro
Comentários 13

UOL Esporte

(Crédito: Reprodução/Rede Globo)

(Crédito: Reprodução/Rede Globo)

Estreando o quadro “Fala, Casão'' nesta terça na edição paulista do Globo Esporte, o ex-jogador comentarista Walter Casagrande disse que daria outro destino se tivesse os cerca de R$ 1,3 bilhão que se especula que o Manchester United estaria propenso a gastar na contratação do craque brasileiro Neymar junto ao Barcelona. Fosse dono de toda essa bolada, faria o investimento não em futebol, mas em causas sociais.

“Eu ajudaria a Etiópia e a Somália, [acabar com] a fome no mundo, ajudaria as situações sociais, não só na África como no Brasil, também. É muito complicado pra mim discutir uma bolada dessa para um jogador de futebol. Apesar de que não tem nada a ver, o mundo do futebol é outro, o mundo que a gente vive é outro, mas eu acho muito difícil aceitar que se gaste esse dinheiro todo num jogador de futebol, sendo que o mundo tá cheio de problema'', afirmou.

Casão ainda respondeu a perguntas de telespectadores do programa:

Com a perda de volantes lesionados, Palmeiras ainda consegue ao menos uma vaga na Libertadores?

“Perdeu volantes, perdeu Gabriel, caiu um pouco, Marcelo entrou em dificuldade, fez um bom jogo contra o Atlético-MG, mas o Palmeiras é um todo. Tem chance de chegar entre os quatro, sim. Não tem que ficar encucado com volante. Palmeiras é uma boa equipe.''

(Crédito: Reprodução/Rede Globo)

(Crédito: Reprodução/Rede Globo)

Osorio é o técnico certo para o São Paulo?

“O Osorio é um grande treinador, vai acrescentar pro futebol brasileiro. Ele saiu prejudicado nessa história aí, saíram jogadores, está tentando montar uma equipe. Eu não concordo que ele faz rodízio, ele tá tentando armar um time, modifica pra achar um time, porque ele não tem um time. Ano que vem, com os jogadores que o Osorio vai querer pro time, vai montar uma grande equipe. Trabalho dele é pro ano que vem.''

Vagner Love vai desencantar ou os dois gols contra o Cruzeiro foram por sorte?

“Eu acho que o Vagner Love vinha jogando bem, mas não vinha fazendo gol e a cobrança do 9 [centroavante] é sempre em cima de gols. Eu acho que ele pode desencantar, mas não é uma garantia.''

Santos vai eliminar o Corinthians na Copa do Brasil?

“O Santos fez uma grande partida semana passada, Lucas Lima jogou muito bem, deu os dois passes para os gols, o Corinthians praticamente não jogou por mérito do desempenho do Santos. O Corinthians em casa é muito forte, como o Santos é na Vila. Depende muito de como desenrolar o jogo. Se o Corinthians fizer o gol nos 10, 15 minutos, a coisa fica difícil pro Santos, que tem time também para fazer gol.''


Osorio desiste de participar do Bem, Amigos! por ‘dia de reflexões’
Comentários 24

UOL Esporte

Convidado do Bem, Amigos já previamente anunciado nos últimos dias, o técnico colombiano Juan Carlos Osorio, do São Paulo, desistiu em cima da hora de participar da atração esportiva do SporTV nas noites de segunda para se preservar e ter “um dia de reflexões'', explicou o apresentador Luis Roberto.

“Gostaria de fazer uma justificativa, porque nos últimos dias você que acompanha toda a programação deve ter ouvido em algum momento a nossa equipe chamando a presença do técnico do São Paulo Juan Carlos Osorio no programa de hoje. Entretanto, foi uma semana com alguns acontecimentos bem consistentes e importantes no São Paulo, culminando com o jogo de ontem, a forma como os acontecimentos se desenrolaram nesta semana'', iniciou, Luis Roberto.

E prosseguiu: “então, hoje pela manhã, conversando com o Osorio, ele me fez entender o porquê de declinar hoje do convite. Disse que é um momento difícil, que quando ele chegou ao Brasil era um elenco e que agora é um outro elenco, enfim havia uma sedução, uma sondagem de uma proposta do México, mas que ele ia ter um dia de reflexões, de conversar com a sua família. Seus filhos estão no Brasil e estão numa iminência de ingressarem numa escola no Brasil. Por sinal, ele me disse que os familiares adoraram o Brasil, estão encantados com o jeito brasileiro, com a cidade de São Paulo.''

E o apresentador finalizou: “de toda forma, agradeço muito a forma como o Osorio e os assessores, assessoria do São Paulo conduziram essa desmarcação que é sempre um caminho pra gente difícil, em cima da hora.''

Luis Roberto ainda confirmou que um encontro entre o profissional e a diretoria do São Paulo no fim da tarde teria sacramentado a continuidade firme do treinador no clube paulista e que o programa estava aberto a receber Osorio em uma nova oportunidade para debate sobre as suas ideia de futebol.


Rizek se desculpa no ar com Vagner Love por tê-lo chamado de “manco”
Comentários 195

UOL Esporte

(Crédito: SporTV/Reprodução)

(Crédito: SporTV/Reprodução)

Em depoimento ao vivo nesta segunda durante o Redação SporTV, do qual é apresentador, o jornalista André Rizek se desculpou com Vagner Love por tê-lo chamado de “manco'' na semana passada em comentário que fez sobre a atuação do atacante após substituir o lesionado titular Luciano na derrota por 2 a 0 do Corinthians para o Santos, na Vila Belmiro, pela Copa do Brasil.

“O Vagner Love ouviu comentários, inclusive um que eu fiz aqui, que é inaceitável para um jornalista. Estava ao vivo e o que falei, que ele é igual jogador manco, é um desrespeito ao atleta profissional. Peço desculpas. Não poderia falar isso de nenhum jogador. É um erro da minha parte'', assumiu Rizek, que no programa de quinta-feira passada declarou: “ele [Luciano] ficou uns sete minutos mancando em campo, e vendo a partida, fiquei imaginando se ele não ficou esse tempo todo porque o Tite sabia que Vagner Love em campo é igual a Luciano 'manco'.''

“Com todo respeito ao Vagner Love, embora ele se esforce, se doe em campo, corra uma maratona pelo Corinthians, mas quando tá com a bola é uma coisa constrangedora o que acontece, ele não consegue chutar em gol'', complementou a crítica naquele dia o apresentador do SporTV.

“Ele ouviu comentários maldosos, como esse meu, e ficou quietinho, na dele, trabalhando e dentro de campo fez a melhor partida dele pelo Corinthians. É o que eu gostaria de falar ao Vagner Love. Quando a gente dá uma derrapada, uma escorregada, a gente tem que mostrar e falar: 'opa, falhei ali'. Não deveria ter falado o que falei porque isso é extremamente desrespeitoso'', finalizou Rizek.

Na vitória por 3 a 0 do líder Corinthians sobre o Cruzeiro, neste domingo, em Itaquera, o atacante foi um dos destaques ao marcar dois gols, ajudando o Timão a manter a vantagem de quatro pontos sobre o segundo colocado Atlético-MG.


Sinceridade de Levir sobre ‘jogador grosso’ do Atlético incomoda Capita
Comentários 2

UOL Esporte

Carlos Alberto Torres (Crédito: SporTV/Reprodução)

Carlos Alberto Torres (Crédito: SporTV/Reprodução)

A incomum declaração sincera de Levir Culpi sobre seu volante Leandro Donizete – quando o elogiou pela aplicação e atuação neste domingo, mas fez a ressalva de ser um jogador “meio grosso'' e “caneleiro'', segundo suas palavras – acabou não sendo bem recebida pelo ex-jogador comentarista do SporTV, Carlos Alberto Torres.

“O Levir é meu amigo, gosto muito dele, mas não é por isso que vou concordar com tudo que falam. Eu não concordo com isso [que é mais fácil fazer um craque marcar que um caneleiro jogar], porque o futebol está evoluindo. A Copa do Mundo tá recente, nós vimos. Nós não aprendemos a lição. Pra maioria desse pessoal que tá comandando futebol, continua tudo igual, mas tecnicamente tá um passo à frente, outro atrás'', iniciou a sua crítica no programa Troca de Passes.

“O futebol de algum tempo é: quando você tem a posse da bola, sai todo mundo para o jogo, quando eles tem a posse de bola, todo mundo volta para marcar. Essa e a mentalidade. Não concordo com o Levir que o jogador dele é grosso. Ele tem que ensinar o jogador a jogar bola, jogar futebol: 'ô Leandro Donizete, quando nós tivermos a posse de bola, sai pro jogo, meu amigo'. Tem que concientizar o jogador dele'', finalizou.

Na declaração que motivou a discordância do Capita, o super sincero Levir Culpi admitiu não apreciar muito o estilo de jogar do seu volante, mas reconheceu a eficiência e progresso do atleta para ir além da marcação e também sair para o jogo.

Confira o que disse o treinador do Galo na entrevista coletiva:

“Gostaria de fazer um elogio publicamente para o [Leandro] Donizete. Não gosto muito do estilo dele de jogar, acho meio grosso. Ele é um cara eficiente, um volante que para determinado sistema tático é ótimo, com a pegada que tem. Mas ele não tem ou não tinha uma qualidade para entregar as bolas e sair jogando. Hoje ele fez de tudo o que era possível: deu caneta nos caras, saiu driblando, ele participou do gol. A marcação é a mesma, porque ele é ótimo na marcação, então gostaria de fazer um elogio nesse sentido, porque acho mais fácil fazer um jogador técnico marcar do que fazer um caneleiro como ele jogar. Mas ele teve coragem e não teve medo de errar, saiu pro ataque também e eu fiquei muito feliz.''


Bolt faz Globo dividir tela e deixar Fórmula 1 em segundo plano
Comentários 4

UOL Esporte

A final dos 100m rasos do Mundial de Atletismo de Pequim (CHN) com a presença do astro Usain Bolt fez a Rede Globo deixar em segundo plano por alguns instantes a transmissão do Grande Prêmio da Bélgica da Fórmula 1 na manhã deste domingo.

A emissora dividiu a tela entre os dois eventos, mas a prioridade foi dada à prova de atletismo, com o narrador Luiz Roberto assumindo o comando da transmissão no lugar de Galvão Bueno para relatar o tricampeonato mundial do jamaicano em uma disputa acirrada com o americano Justin Gatlin.

Por contrato, a Globo é obrigada a exibir a íntegra das provas de Fórmula 1, daí a necessidade de dividir a tela.


Culpa de Osorio na derrota do São Paulo divide comentaristas de TV
Comentários 2

UOL Esporte


Não foi só você que conversou no almoço ou discutirá no happy hour a responsabilidade do técnico Juan Carlos Osorio na derrota de quinta-feira do São Paulo para o Ceará por 2 a 1 pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil. O resultado surpreendente e uma possível culpa do treinador foram os temas mais discutidos pelos comentaristas de TV nos programas esportivos de hoje.

A culpa dos jogadores e da diretoria foi citada por praticamente todos, quase de maneira unânime. No entanto, a responsabilidade do colombiano dividiu os analistas na Band (Jogo Aberto e Os Donos da Bola), na ESPN (Bate-Bola) e na Globo (Globo Esporte).

Veja abaixo quem defendeu Osorio e quem o culpou, direta ou indiretamente, pela derrota no Morumbi.

OSORIO FOI O MAIOR RESPONSÁVEL

Alê Oliveira (ESPN): O jogador do São Paulo tem que ser cobrado sim. Agora, ele tem uma desculpa pronta, ele não sabe o que está fazendo em campo. Eu quero que alguém me explique qual é a lógica de você cruzar 70 bolas na área sem centroavante? Qual que é a vantagem de marcar por setor no escanteio e tomar gol todo jogo? Qual que é a vantagem de você pegar um jogador que não faz aquela função e colocá-lo lá? O Osorio pra mim é treinador de futebol. Se ele é da Colômbia, se é da China ou se é da Arábia, tanto faz. O rodízio não tem nada a ver com isso. O que o Osorio faz não tem explicação. Assim, se o time tem um bom comportamento, se você achou o time, vamos com esse time, com esse desenho, com esses caras aqui. Ótimo. Se não sei quem está um pouco desgastado, vamos usar na rodada alguém da mesma característica para fazer essa função, porque o time está dando certo. Agora, o que ele faz não é isso.

Caio Ribeiro (Globo): Jogar a responsabilidade nas costas do treinador nessa hora é muito fácil. Tem que matar no peito, ir lá e resolver. Isso que eu cobro dos jogadores pela qualidade que eles já demonstraram em campo. O Osorio ainda está conhecendo o grupo e está fazendo algumas escolhas, no meu modo de ver, equivocadas. Quando você tem uma proposta ofensiva, você tem que confiar nos seus zagueiros. Pra mim, o melhor zagueiro que o São Paulo tem se chama Rodrigo Caio. Então coloca ele lá atrás e vê quem joga do lado dele. Porque se deixar a defesa exposta, vai perder jogo. Do lado esquerdo, tem Carlinhos e Reinaldo. Joga um. Não precisa o Carlinhos jogar nessa faixa do campo, porque se ele joga nessa linha de três meias, você está tirando o Pato do lado do campo que ele mais gosta de jogar. Então o Reinaldo segura um pouquinho, bota o Carlinhos na lateral, traz o Pato para o lado do campo e coloca Centurion, Wilder, quem você quiser do lado direito. Outra coisa que tem me incomodado: Michel Bastos, até a chegada do Osorio, era o melhor jogador do São Paulo. Dificilmente a gente viu ele na posição que ele mais rende, que é próximo do atacante. Ele está jogando de lateral esquerdo, está jogando de segundo volante, e já mostrou que não rende nessa função.

 Denilson (Band): O grande responsável por isso é o Osorio, sabia? Porque ele precisa definir um time. Não acho errado o rodízio, dar oportunidade para todos os jogadores. Mas o jogador precisa de ritmo, precisa se sentir com confiança. E nenhum jogador do São Paulo está com confiança. Ontem a bola parecia que queimava nos pés dos jogadores. Então, Osorio, define um time. O momento do São Paulo é de você escalar 11 jogadores e ir pra batalha com esses 11 jogadores. Na hora que der pra trocar, troca.

Paulo Roberto Marins (Band): A responsabilidade é do treinador, é do grupo de jogadores, é da direção, e principalmente da direção, que não consegue extirpar as cobras de dentro do Morumbi, então o treinador acaba sofrendo com isso. Agora, eu cansei do senhor Osorio. O cara escalar o Carlinhos de ponta direita, ele fez o Garrincha virar no túmulo. Porque não é possível isso.

Héverton Guimarães (Band): Existe uma boa vontade com o Osorio que é uma coisa horrorosa. Se é o Joel Santana, o Carpegiani, o Jair Picerni, todo mundo estava deitando o cacete, mas com o Osorio tem que ter paciência. Em qual empresa do mundo que um alto executivo trabalha 60 dias, dá um baita prejuízo e é mantido no cargo? Me fala, que eu vou me inscrever para trabalhar. Então pode dividir entre jogadores, treinador e diretoria. Porque errado não é o Osorio, é a diretoria que trouxe, esperando que ele fosse trazer algo novo, um novo jeito de jogar futebol. Vou fazer um desafio a vocês. Me apresenta uma alternativa nova criada pelo Osorio dentro do São Paulo e diga ‘nisso aí ele arrebentou’.

OSORIO NÃO É O PRINCIPAL CULPADO

Fernando Fernandes (Band): O Osorio é fruto de uma crise do São Paulo. O São Paulo sempre foi um time muito orgulhoso, que sempre tinha uma postura diferente em campo. E o São Paulo parece que perdeu o orgulho, cara. Esqueceu o tamanho que tem. Hoje se pega com picuinhas de dirigentes. Se você pensar que passaram por lá Autuori, que ganhou, Muricy, que ganhou, o Ney Franco, que teve sucesso não tanto quanto esses anteriores, mas ganhou. O Osorio chegou aqui com a bola toda, porque já ganhou lá fora, era um cara moderno. Quantos treinadores passaram pelo São Paulo nos últimos tempos e não funcionou?

Leo Bertozzi (ESPN): Na minha visão, você fazer uma cobrança severa em cima de resultado para esse ano é a possibilidade de jogar fora um trabalho que pode melhorar, e pode melhorar muito. O Osorio conhece muito de futebol. Os trabalhos anteriores dele provam isso. E ele eliminou o São Paulo na Copa Sul-Americana no ano passado, aqui no Morumbi, com o Atlético Nacional, com um time que a gente pode combinar que tem um elenco inferior ao São Paulo. Podemos combinar também que o São Paulo, nos últimos anos, foi eliminado em torneios de mata-mata pela Ponte Preta na Copa do Brasil, pelo Bragantino, foi eliminado do Campeonato Paulista no Morumbi pelo Penapolense. Tudo isso o São Paulo fez nos últimos anos com outros técnicos.

Jorge Nicola (ESPN): Eu concordo com tudo que o Alê falou. Pra mim, o Osorio erra muito, erra demais. Mas diretoria errou muito. O Carlos Aidar e o Athaide Gil Guerreiro, que é o vice de futebol, com as suas convicções, acho que ele erra demais. A diretoria é omissa. E esse elenco do São Paulo é um elenco de muito ‘mimimi’, de pouca gente que aparece para resolver.

Neto (Band): Numa hora dessa, não é treinador que joga, não é torcida que joga, não é presidente que joga, é jogador que joga. O cara que veste a camisa. O que me parece, muitas vezes, é que o jogador está pipocando. Luis Fabiano, Pato não, Paulo Henrique Ganso… A torcida te xingou, ‘Ah, a torcida é assim mesmo’. Não é assim não, velho, não é assim, não. Tem que partir pra cima.


Pérola do Baú: Vasco usou logo do SBT para provocar a Globo em 2000
Comentários 8

UOL Esporte


Comemorando 117 anos nesta sexta-feira, o Vasco não vence o Campeonato Brasileiro desde 2000, com o time tetracampeão que era comandado por Joel Santana e tinha estrelas como Romário, Juninho Paulista, Euller e Juninho Pernambucano.

No dia 30 de dezembro de 2000, o segundo jogo da final da Copa João Havelange entre Vasco e São Caetano em São Januário foi interrompido pela queda do alambrado, que deixou 168 feridos. A cobertura do episódio pela imprensa, especialmente a Globo, deixou o então presidente vascaíno Eurico Miranda insatisfeito.

Para se vingar, ele preparou uma surpresa para o novo jogo da final, realizado no dia 18 de janeiro de 2001 no Maracanã. Estampou a marca da SBT na camisa do Vasco, fazendo Galvão Bueno engolir a fala na entrada do time em campo.

“Tendo sido caluniado, quis o Vasco homenagear quem não o caluniou. Tendo sido vítima de uma odiosa campanha de perseguição, a partir da desinformação e até mesmo da edição de imagens, quis o Vasco homenagear quem dá à opinião pública a verdade dos fatos para que ela os julgue”, escreveu Eurico Miranda em uma carta para o SBT, justificando o uso da marca.

O clima de perseguição contagiou até mesmo os jogadores, que destacaram a conquista “contra tudo e todos”. Um dos desabafos foi do zagueiro Odvan, que criticou a posição da imprensa no meio de uma entrevista para um repórter da Globo e fez Galvão dizer: “É, amigo, nessa hora vale tudo”. Assista a seguir:


Raí critica Osorio em derrota do SP e diz que com Telê seria facílimo
Comentários 19

UOL Esporte

Rai-comentarista-ESPNBrasil

O ídolo são-paulino Raí não teve nenhum receio em criticar duramente o técnico colombiano Osorio e suas escolhas de jogadores e posicionamentos em campo na derrota tricolor por 2 a 1 nesta quinta para o Ceará, lanterna da Série B, em pleno Morumbi. Estreando como comentarista de jogo na ESPN Brasil, Raí chegou até a citar o falecido técnico Telê Santana, que fez história no clube.

“Acho que com Telê Santana hoje a missão dele seria facílima: deixar espaço para os laterais e colocar os jogadores na posição certa'', disparou, em meio a uma enxurrada de críticas às ideias de Osorio, seja na escalação do São Paulo ou nas mexidas durante a partida.

“O Carlinhos ficar aberto de um lado e o Pato de outro, você tira o espaço da subida dos laterais. O Bruno de um lado e o Reinaldo de outro podem chegar de trás, como pontas, como homens surpresas, e o time ganha mais dois no meio-campo'', comentou, sobre o posicionamento de Carlinhos não como lateral esquerdo, mas na segunda linha, aberto no meio-campo.

“São Paulo melhorou. Agora, o Osorio desperdiçou uma grande oportunidade de fazer a grande mudança para virar o jogo. Poderia ter deixado o Carlinhos na lateral esquerda, Michel Bastos aqui e passar Wilder para o meio, jogar junto com o Pato. Ele tirou o Reinaldo e botou o Michel Bastos de lateral esquerdo, então ele não mexeu. Reinaldo tava fazendo uma boa atuação, ele tirou e deixou o Michel ali. Mexeu a peça certa, mas taticamente errado'', questionou o treinador colombiano, mais uma vez, após uma alteração.

O Ceará vencia por 1 a 0, gol marcado no primeiro tempo, o jogo seguia assim na segunda etapa de partida e Raí batendo em Osorio: “tem umas coisas, eu quero insistir no comentário. Olha, ver o Carlinhos jogando de centroavante, e o Michel Bastos que poderia jogar aqui pela direita entrando pelo meio e batendo, dando espaço para o Bruno [lateral], é um desperdício. Pode até empatar e virar, mas é um absurdo o que o Osorio fez agora. Michel Bastos, que já não gosta de jogar de lateral esquerdo, um talento lá atrás.''

“Ele [Osorio] tá tentando tudo, mas não tá vendo o óbvio. Agora, ele passou o Pato pra esquerda, o Wilder pro meio e o Carlinhos pra direita'', reclamou novamente Raí.

O São Paulo diminuiu a desvantagem na sequência, com gol de Pato, passou a pressionar, empilhar chances, boa na trave e, mesmo assim, Raí seguia inconformado com o que via. Ou até o que gostaria de ver e não acontecia da parte do técnico do São Paulo.

“Faltando 14 minutos, mais os acréscimos e não sei por que ele não tira o Carlinhos e põe o Centurión, é fácil. Coitado do Carlinhos, judiou. A torcida tá xingando o Michel Bastos, mas o erro não é dele, o São Paulo tava jogando com dois a menos porque não dava espaço para os laterais subirem e agora tá jogando com um um jogador completamente perdido, fora de posição que é o Carlinhos. Pode fazer ali um gol como centroavante, como qualquer um poderia fazer, mas não é a dele. O que ele tá fazendo ali?'' indignou-se.

Com a derrota do São Paulo consumada, Raí fez o seu balanço do jogo que comentou. E tome crítica a Osorio.

“Acho que o São Paulo se classifica ainda. Só não fazer tanta besteira como fez hoje. Osorio errou muito no primeiro tempo, depois ele acertou dando espaço para os laterais, mas o Carlinhos só veio pra ponta direita, porque o Luiz Eduardo jogou como atacante. O zagueiro é que foi como atacante, então o Osorio pecou muito, complicou uma situação que seria fácil de ganhar aqui, mas é só não fazer a mesma coisa no Ceará que se classifica. O São Paulo continua favorito'', finalizou.

Rogerio Jovaneli
Do UOL, em São Paulo