Blog UOL Esporte vê TV

Xico Sá brinca com camisa extravagante e comentarista e promete ‘vingança’
Comentários Comente

UOL Esporte

Tim Vickery (à esquerda) participou de programa no SporTV nesta quinta-feira (Crédito: Reprodução)

Tim Vickery (à esquerda) participou de programa no SporTV nesta quinta-feira (Crédito: Reprodução)

A camisa vestida pelo comentarista Tim Vickery foi uma das atrações do programa Redação SporTV na manhã desta quinta-feira, chegando até mesmo a gerar comentários bem-humorados na mesa. No entanto, a repercussão do figurino não ficou restrita à própria atração do canal de TV por assinatura SporTV.

A estampada peça em questão virou motivo de piada para o jornalista e escritor Xico Sá, conhecido por adotar camisas igualmente extravagantes. Convidado recorrente do programa, ele foi ao Twitter e prometeu “se vingar” de Tim Vickery no quesito.

“Fui realmente desbancado, em matéria de camisas, pelo amigo Tim Vickery”, disse Xico Sá. “A vingança será maligna, caro Tim Vickery.Vou às compras na minha Santa Cruz do Capibaribe. Aguarde, Redação SporTV”, completou.

Os fãs aguardam a próxima participação de Xico Sá no programa.


Entrevista no SporTV é interrompida por sucesso de Morrissey
Comentários Comente

UOL Esporte

Aurora Bello (Crédito: Divulgação)

Aurora Bello (Crédito: Divulgação)

Uma cena inusitada marcou a programação do canal de TV por assinatura SporTV na manhã desta quinta-feira. Mas, provavelmente, os fãs da banda The Smiths não reclamaram.

Aconteceu durante o SporTV News, um dos telejornais do canal. Em um dos blocos, a apresentadora Aurora Bello chamou o repórter Rodrigo Albornoz, que estava no Estádio do Maracanã para uma entrevista com Marcelo Frazão, diretor de marketing do consórcio que administra o local. A pauta: as atividades no jogo da véspera entre Flamengo e Atlético-MG, pelas semifinais da Copa do Brasil.

Até aí, tudo bem. Mas quando Albornoz entrou no ar, uma música surgiu na transmissão, alta o suficiente para que o telespectador não conseguisse ouvir a entrevista de Albornoz com Frazão. A transmissão então retornou para o estúdio, com Aurora, mas a situação não foi contornada, e até mesmo uma segunda música foi iniciada – os fãs de The Smiths devem ter reconhecido uma versão ao vivo de Everyday is like Sunday, sucesso do primeiro álbum do cantor da banda, Morrissey, em carreira solo (Viva Hate, 1988).

Sem solução, o programa foi para o intervalo. Na vinheta da volta, foi possível ouvir um áudio vazado, dizendo “está fora, está derretendo aqui”.

Mesmo assim, o “problema musical” foi consertado. “Tudo certo. Nós pedimos desculpas pelos problemas técnicos, mas está tudo resolvido”, disse Aurora, chamando novamente Rodrigo Albornoz para sua entrevista no Maracanã.


Bruno Senna se destaca em TV britânica e chama atenção da Globo
Comentários 2

UOL Esporte

Bruno Senna

Bruno Senna

Fora da Fórmula 1 desde o fim da temporada de 2012, quando defendeu a equipe Williams e terminou na 16ª colocação, Bruno Senna não se afastou completamente da categoria. Pelo contrário, tem feito sucesso e vem sido muito elogiado na imprensa britânica e já desperta até a atenção da Rede Globo. Obviamente que não pelos resultados na pista, mas sim pela postura com o microfone.

Desde março, o sobrinho de Ayrton Senna integra a equipe de comentaristas da Sky Sports, principal emissora britânica na cobertura da Fórmula 1. Até agora, Bruno participou da transmissão de quatro corridas. Neste ano, ainda atuará no Grande Prêmio dos Estados Unidos (no dia 2 de novembro) e do Grande Prêmio do Brasil (em 9 de novembro). Além de análises técnicas e de pilotagem, o brasileiro comanda algumas entrevistas nos boxes antes e depois das provas. Ao longo do ano, também trabalhou na produção de uma série de reportagens especiais mostrando o legado deixado 20 anos após a morte do tio.

“No começo deste ano veio o convite, pois a Sky queria um sangue novo nas transmissões. Eu achei bem legal ter esta oportunidade. Estou bastante satisfeito. É muito legal ver a maneira que eles trabalham. A cada fim de semana, levam cerca de 60 pessoas para a pista. Parece até uma equipe da Fórmula 1″ disse Bruno em entrevista ao UOL Esporte.

A desenvoltura de Bruno nos comentários e a boa didática já chamaram a atenção da TV Globo. Segundo a  reportagem apurou, pessoas da emissora já sondaram o piloto para que ele participe de algumas transmissões ao longo da próxima temporada como convidado.

“O pessoal da Globo sempre me ajudou muito, tenho bom contato com todos lá. Já falaram comigo sobre a possibilidade de fazer algumas corridas, mas acabou que nunca calhou. Mas claro que se tivesse uma oportunidade seria muito legal. A Globo já tem o Reginaldo Leme e o Luciano Burti que comentam esta parte técnica, então não sei como seria'', disse.

Entretanto, até o momento não há nenhuma proposta oficial, mesmo porque a Sky Sports quer seguir com o brasileiro em seu quadro de comentaristas, que conta ainda com os ex-pilotos Martin Brundle e Damon Hill.

Além disso, Bruno não quer assinar um contrato fixo com nenhuma emissora pois possui propostas para competir em diferentes categorias em 2015. Equipes da Stock Car, do campeonato Fia GT (carros de turismo) e do Mundial de Endurance (provas de longa duração) já entraram em contato com o piloto.

O brasileiro também tem contrato com a Mahindra Race, escuderia da recém-criada Fórmula E. O campeonato, que começou no dia 13 de setembro em Pequim (CHN) irá até 27 de junho do ano que vem. Até mesmo por conta disso, Bruno não estará com a equipe da Sky Sports no Grande Prêmio de Abu Dhabi da Fórmula 1. A última prova do campeonato será realizada em 23 de novembro, um dia depois da etapa da Malásia da Fórmula E.

“A Sky quer renovar o contrato, mas minha ideia é fazer muito mais corridas no ano que vem do que fiz neste ano. Se der tudo certo, eu conseguir elaborar o calendário que tenho em mente vai ser difícil  ficar concentrado apenas na Sky'', afirmou o piloto.

Apesar de não ter certeza quanto ao futuro, Bruno aproveita o momento como comentarista da emissora britânica e se diz cada vez mais à vontade à frente das câmeras.

“Claro que para mim não é tão automático estar na televisão como me sinto quando entro no carro para pilotar, mas não tenho sentido tantas dificuldades pois fico restrito à análises na parte técnica. Claro que quando é ao vivo complica um pouco mais, às vezes você precisa improvisar, é meio esquisito. Mas é um aprendizado legal, vou ganhando experiência'', afirmou.

Nem mesmo o fato de ter de usar o inglês, que não é seu idioma materno, nas transmissões é visto como um complicador. Bruno confessa até que se expressa melhor em inglês do que em português.

“Para ser bem sincero, acho que falo melhor inglês do que português (risos). Em inglês, consigo ser mais claro. Em português, eu falo muito rápido e isso acaba complicando algumas vezes'', completou Bruno.

Em contato com a reportagem, a Globo informou por meio de sua assessoria de imprensa que nenhum convite formal foi feito para Bruno Senna.

Fábio Aleixo

Do UOL, em São Paulo 

 


Gêmeas do nado encaram maratona para conciliar Rio-2016 e emprego na Globo
Comentários 4

UOL Esporte

Quem anda assistindo ao Vídeo Show, da Rede Globo, já viu que as gêmeas Bia e Branca Feres se tornaram repórteres do programa. O que os telespectadores não sabem é que as duas terão de enfrentar uma verdadeira maratona para conciliar as aparições diárias na TV com os treinos cada vez mais exigentes da seleção brasileira de nado sincronizado.

“Quando começamos a conversar com a Globo, já sabíamos que a rotina seria corrida. Mas o nado sincronizado terá sempre prioridade. Vamos organizar nossa agenda de gravações de acordo com os treinos, nas horas livres. As outras atletas da seleção também estudam, fazem faculdade ou trabalham. Não muda muita coisa. Nós somos superprofissionais e temos uma estrutura bem montada para nos apoiar, tanto dentro, quanto fora da seleção”, conta Bia.

A tarefa, porém, promete ser dura. Maura Xavier, técnica da equipe, conversou com a dupla antes do acerto com a TV. “O acerto foi que a seleção é nossa prioridade. É o objetivo delas. E o Vídeo Show não pode afetar de forma alguma os treinamentos da seleção. Elas sabem disso. Mas é bom para elas terem vida além dos treinos”.

O alerta foi dado por causa da carga horária dos treinos. “Hoje, treinamos sete horas, todos os dias. Mas tem a possibilidade de aumentar até 2016. É uma dedicação grande. No ano que vem, temos muitas competições internacionais programadas. Tanto que a maioria das atletas já está trancando faculdades”, completa Maura.

Bia e Branca estão entre as mais experientes da equipe brasileira, que vai voltar a competir nos Jogos Olímpicos após não se classificar para Londres-2012. Ao seu lado estará a veterana de duas Olimpíadas Lara Teixeira, que foi a Londres pelo dueto e voltou da aposentadoria neste ano para fazer parte do time.

Globo é terceira emissora da dupla

Esta será a terceira experiência das gêmeas na TV. A primeira foi na MTV, quando apresentaram o Luau, programa de música, e o Bia Vs. Branca, um gameshow de namoros. “O nosso começo em TV pela MTV foi um grande laboratório e aprendizado. Às vezes, nós mesmas fazíamos a produção, davamos as dicas de pauta e ainda gravávamos. Isso valeu um amadurecimento muito grande”, lembra Bia.

Depois, elas fizeram parte da equipe do Deu Olé, da Band, um programa de esportes, em que faziam entrevistas com atletas. “Foi uma experiência positiva. Nos divertimos e aprendemos muito com esse formato de entretenimento esportivo. A mudança é o conteúdo e o público que vamos atingir. A linguagem e a nossa postura muda de acordo com o programa. Na MTV era um público bem adolescente, então até o figurino era mais teen. No Deu Olé, era outra proposta. Público de maioria masculina e que se interessava em futebol. Apesar de rirmos e nos divertirmos bastante, passávamos mais seriedade e até o figurino era mais sóbrio”.

Na Globo, as duas estão trabalhando no meio das duas experiências anteriores. “Estamos na maior emissora do Brasil e em um programa que entrevista as maiores celebridades do país. Artistas, esportistas. É um misto de tudo o que fizemos até hoje. Vamos atingir desde da dona de casa que acompanha as novelas até os fãs adolescentes de um ator mirim ou o rapaz que admira esporte”.


Edno critica comentarista do Sportv ao vivo e tem microfone cortado
Comentários 64

UOL Esporte

edno

Crédito: Reprodução

A equipe do Sportv passou por uma tremenda saia justa no último sábado, durante a transmissão da 31ª rodada do Campeonato Brasileiro. Destaque do Vitória no jogo contra o Criciúma após marcar um golaço de bicicleta, o atacante Edno desabafou contra o comentarista Carlos Eduardo Lino na saída do campo e teve o som do microfone cortado pela emissora.

Edno foi abordado pela repórter do Sportv na saída do campo do estádio Barradão e comentava a boa atuação, até que resolveu mandar o recado ao crítico.

“Um golaço, não é? Recebi a bola bem no alto. Tive a felicidade de pegar ela no ar, morreu lá no cantinho. Já tinha tentado uma vez no Japão, mas o goleiro defendeu. Fui feliz e consegui ajudar minha equipe'' “, disse, antes de iniciar o desabafo.

“Esse gol também eu ofereço para os críticos, um desabafo. Muitas vezes minha esposa me liga e me fala dos comentários, principalmente do Sportv. O Carlos Eduardo Lino, o irmão dele [André Lino], que estou vendo lá em cima [na cabine de transmissão]. Eu não sei o que eles têm contra mim, pois sempre falam que sou isso, aquilo. Eles são catarinenses'', disse, tendo o áudio cortado imediatamente.

Sem graça, o narrador que comandava a transmissão tentou contornar o problema. “Valeu, valeu, valeu… Tá certo, tá desabafando. Fez o gol de bicicleta, tudo bem'', disse André Lino, enquanto o cinegrafista cortava a imagem para a saída dos torcedores do estádio.


Rubinho agradece Galvão em texto de despedida da Globo
Comentários 151

UOL Esporte

rub

Dois dias depois de o UOL Esporte ter divulgado a saída do ex-piloto de Fórmula 1 Rubens Barrichello das transmissões da TV Globo, ele usou sua conta no Instagram para postar um texto de despedida.

“Galera … Eu so tenho a agradecer estes dois anos de aprendizado especialmente ao Galvao,Reginaldo, Burti, Mari Becker, Courege,Jaime Brito e ao Camera man Baiano(figuraça). Fazer o grid ao vivo era uma loucura mas adrenalina pura e muito divertido. Com a Globo eu tinha um contrato de corridas e este contrato acabou. Tenho outros planos. Pra aqueles q dizem q o problema era ter namorado a Mercedes, primeiro nao namorei… Segundo a Mercedes é a antiga Brawn portanto falo com eles toda hora. E terceiro se eu tivesse namorado e eles tivessem me chamado pra correr eu poderia pq tinha clausula no meu contrato que me permitia correr de F1 caso convidado. Enfim tudo certo. Abrassss''

Segundo o UOL Esporte apurou com pessoas ligadas a Globo, o relacionamento de Rubinho com o Galvão Bueno e demais membros da equipe de automobilismo da emissora andava muito ruim. Rubinho queria fazer mais do que lhe era proposto, e essa intenção não foi vista com bons olhos. O piloto tinha dificuldades para acatar ordens e chegou a bater de frente com integrantes da alta cúpula da Globo e pessoas próximas a Galvão, que trabalham há anos com o narrador.

Barrichello também não concordava, por exemplo, com a orientação comercial da emissora. A Globo, por exemplo, denomina a equipe Red Bull de RBR e isso incomodava o ex-piloto da Ferrari.

No entanto, Barrichello negou que tivesse tentado fazer um teste pela Mercedes durante a atual temporada, o que seria outro motivo para que o contrato do ex-piloto para comentar as corridas de F1 não fosse renovado para o próximo ano.

 

Rubens Barrichello

Rubens Barrichello

[tagalbum id="8926"]


Problema com Galvão e regras da Globo tiraram Barrichello da emissora
Comentários 549

UOL Esporte

Problemas de relacionamento, conflitos contratuais e o fato de usar suas viagens comentando provas para se oferecer a equipes da Fórmula 1 foram determinantes para a saída de Rubens Barrichello da Rede Globo. Apesar de um rompimento amigável, houve discordâncias profundas que motivaram o fim do contrato da emissora com o piloto da Stock Car, que iria até dezembro, mas já foi encerrado.

Segundo o UOL Esporte apurou com pessoas ligadas a Globo, o relacionamento de Rubinho com o Galvão Bueno e demais membros da equipe de automobilismo da emissora andava muito ruim. Rubinho queria fazer mais do que lhe era proposto, e essa intenção não foi vista com bons olhos. O piloto tinha dificuldades para acatar ordens e chegou a bater de frente com integrantes da alta cúpula da Globo e pessoas próximas a Galvão, que trabalham há anos com o narrador.

Barrichello também não concordava, por exemplo, com a orientação comercial da emissora. A Globo, por exemplo, denomina a equipe Red Bull de RBR e isso incomodava o ex-piloto da Ferrari.

Pelo lado da Globo, a insatisfação se deveu ao fato de Rubinho ter se oferecido como piloto de testes da Mercedes para a próxima temporada durante o fim de semana do Grande Prêmio de Cingapura, realizado entre os dias 19 e 21 de setembro. Segundo pessoas de dentro da emissora, Barrichello nunca se aceitou como um ex-piloto da Fórmula 1. Coincidência ou não, aquela foi sua última participação nas transmissões.

No ano passado, um episódio isolado começou a criar desconforto. Em outubro, Rubinho conversou com a Sauber para assumir um posto na equipe Suíça e cogitava até disputar o Grande Prêmio do Brasil. Rubinho não chegou a comunicar a Globo sobre o fato, causando irritação na emissora. O acordo com a escuderia suíça jamais aconteceu.

Além disso, o fato de Rubinho ter se tornado apresentador no canal “Acelerados” no YouTube não agradou à emissora, que o enxergou como uma concorrência. A Globo viu a situação como uma clara violação de cláusulas colocadas em seu contrato, que previa uso exclusivo de sua imagem em todas as mídias. Foi uma “brecha” encontrada para se romper o acordo de forma unilateral.

O UOL Esporte entrou em contato com a assessoria de imprensa de Rubens Barrichello, mas não obteve resposta até o fechamento desta reportagem.

A Globo procurou a reportagem e reafirmou que “não houve nem há qualquer problema de relacionamento entre a Globo e o piloto Rubens Barrichello. Ao contrário, a relação entre os profissionais – executivos ou de transmissão – da emissora e Rubinho sempre foi ótima e de muito respeito. Como já informamos anteriormente em nota, o contrato foi concluído de forma amigável com o fim das participações previstas''.

Antes, havia afirmado que “o contrato da Globo com Rubens Barrichello previa um número determinado de participações como comentarista da Fórmula 1 na temporada 2014, que seriam feitas de acordo com a agenda do piloto. Com o fim dessas participações, o contrato se concluiu. Para os últimos Grandes Prêmios da temporada, a Globo conta com Reginaldo Leme e Luciano Burti em seu quadro de comentaristas do esporte”.

O piloto Luciano Burti também foi procurado para comentar a saída de Barrichello das transmissões, mas não quis se manifestar.

Camila Mamede, Fábio Aleixo, Gustavo Franceschini e Mauricio Stycer

Do UOL, em São Paulo

Rubens Barrichello

Rubens Barrichello


Cléber Machado chama Chapecoense de Criciúma e é cornetado na web
Comentários 18

UOL Esporte

A partida entre Chapecoense e São Paulo terminou empatada por 0 a 0. Mas, ao menos para Cléber Machado, em algumas oportunidades, o tropeço do time do Morumbi foi contra o Criciúma.

Ao longo do jogo, Cléber Machado chamou algumas vezes a Chapecoense de Criciúma. No Twitter, alguns torcedores reclamaram do equívoco do narrador por trocar os nomes de clubes rivais.

“Cleber machado chamar Chapecoense de Criciuma, é o mesmo que chamar Palmeiras de Corinthians”, escreveu um torcedor. “Tá, o narrador da Globo não vai parar de chamar a Chapecoense de Criciúma?”, disse outro.

A última vez que Cléber Machado cometeu o equívoco foi nos minutos finais do duelo. Em um só lance, ele chamou a Chapecoense duas vezes de Criciúma e corrigiu na sequência.

“Olha que bobagem da defesa do Criciúma. Aí é para deixar torcedor do Criciúma com coração a 192 batidas por minuto. A torcida da Chapecoense a 192 batidas por minuto com essa bola mal recuada”, disse o narrador, que na sequência explicou os três times catarinenses que estão no Brasileirão.

Veja a repercussão no Twitter:


Rubens Barrichello não é mais comentarista de Fórmula 1 da TV Globo
Comentários 403

UOL Esporte

Rubens Barrichello

Rubens Barrichello

[tagalbum id="8926"]

Rubens Barrichello não é mais comentarista de Fórmula 1 da TV Globo. A partir da próxima corrida, no dia 31 de outubro, com o GP das Américas, nos Estados Unidos, apenas Reginaldo Leme e Luciano Burti trabalharão nas transmissões ao vivo.

O ex-piloto fazia parte do quadro de comentaristas desde 2013 e participava de um rodízio com os dois ex-companheiros, exceto nas provas disputadas no Brasil, quando todos eles participavam. A explicação oficial da emissora é que o contrato entre as duas partes “se concluiu”, não especificando se ele foi rompido ou era válido até esse período. Rubinho ainda não se pronunciou sobre sua saída.

“O contrato da Globo com Rubens Barrichello previa um número determinado de participações como comentarista da Fórmula 1 na temporada 2014, que seriam feitas de acordo com a agenda do piloto. Com o fim dessas participações, o contrato se concluiu. Para os últimos Grandes Prêmios da temporada, a Globo conta com Reginaldo Leme e Luciano Burti em seu quadro de comentaristas do esporte'', informou a emissora ao UOL Esporte.

Barrichello é o piloto que mais realizou corridas na história da principal categoria do automobilismo, com 326 corridas na Fórmula 1.

Ele disputa atualmente a Stock Car, principal campeonato do automobilismo nacional. É atualmente o vice-líder da competição, atrás de Átila Abreu. Barrichello ganhou R$ 1 milhão na famosa “Corrida do Milhão”, disputada em Goiânia.

Fábio Aleixo e José Ricardo Leite
Do UOL, em São Paulo


Narrador do SporTV nem queria voltar para jogo da morte de Serginho
Comentários 9

UOL Esporte

Serginho_1 “Tem um jogador do São Caetano caído ali e parece até desacordado, Ceretto”.  A frase proferida aos 14min do segundo tempo pelo narrador Deva Pascovicci para o repórter, ao vivo no SporTV, era apenas o começo de uma noite longa, inesquecível e sem um final feliz. Foi o hoje cronista da rádio CBN quem narrava o jogo no Morumbi entre São Paulo e São Caetano que culminaria na morte do zagueiro Serginho em função de uma parada cardiorrespiratória, há dez anos.

“Olha o drama que estamos vivendo aqui no Morumbi”, falou segundos depois, quando as câmeras já flagravam a ação desesperada dos médicos na tentativa de salvar o defensor do time do ABC. Teve até respiração boca a boca no gramado naquele 27 de outubro. “Saí do estádio já com a sensação de que não tinha como reverter, saí muito mal. Eu morava em São Roque naquela época e foi difícil chegar em casa. Não dormi à noite, passei a madrugada toda acordado. Geralmente a gente chega dos jogos ainda com adrenalina, mas aquele dia fui dormir 7h da manhã pelas cenas que vi e fiquei preocupado”, falou Deva, em entrevista ao UOL Esporte. (Ouça abaixo o momento da queda de Serginho).

Apesar de não ter dado ao vivo a notícia da morte do defensor, o narrador relata que a experiência foi a mais difícil de sua vida profissional. Não só, obviamente, por ver as cenas de uma pessoa com a vida em jogo. Mas a de ter que conduzir ao vivo uma situação completamente inesperada e que exigia muita responsabilidade nas informações. “Essa é a maior preocupação.

“O Ceretto (repórter) e José Maria de Aquino (comentarista), jornalistas experientes, souberam conduzir com a gente. Passou até uma tranquilidade. Mas não tem nada parecido com isso (na carreira). A sensação é de que aquilo não acabava nunca. Desde o momento que ele passou mal até encerrarmos a transmissão, a sensação foi de que ficamos no ar umas três horas. Mas foram 15 ou 20 minutos”, relatou. “À medida que o tempo passou, vimos que era grave e que ele não tinha reação. Não tínhamos noção de tempo, ficávamos desesperados para ver o socorro  chegar, e parecia uma eternidade. Depois vimos que o tempo de chegada não foi longo. A sensação que tivemos na hora era de algo muito grave e irreversível. Tínhamos a informação de ser grave, tanto que o Ceretto saiu dali pro hospital”, prosseguiu.

O dia ruim ainda continuaria uma semana depois. O narrador conta que a direção do canal decidiu que a mesma equipe que foi escalada para a trágica partida teria que continuar a transmissão dos 31 minutos restantes na partida remarcada para o dia 3 de novembro, vencida pelo São Paulo por 4 a 2. Deva conta que não gostaria de ter participado daquele jogo e diz que foi a situação foi pior do que no dia que culminou na morte de Serginho.

“No momento do primeiro jogo tivemos sensação de missão cumprida, mas voltar pro Morumbi e fazer a sequência do jogo foi muito pior do que contar a história. Começamos a contar uma história que era uma morte e tínhamos que continuar”, lembrou. “A equipe inteira chegou mal para fazer aquela partida. A direção entendeu que fizemos um trabalho correto naquele dia e que tínhamos que continuar. O mais correto deveria ser outra equipe, estava todo mundo muito abalado. Tínhamos que relatar tudo aquilo, mas sem o Serginho lá. Naquele dia foi tudo diferente. Nem deveria ter tido sequência aquele jogo, nem transmissão, nada”, recordou. A sensação descrita por Deva para o segundo jogo pode ser sentida ao ouvir os seis gols nos 31 minutos do segundo jogo. O narrador demonstra pouca emoção para narrar os gols marcados. Ouça a narração abaixo.

José Ricardo Leite

Do UOL, em São Paulo

Serginho

Serginho

[tagalbum id="75528"]