Blog UOL Esporte vê TV

Huck vai à Londres gravar quadro do Caldeirão com craques da seleção
Comentários Comente

UOL Esporte

O apresentador Luciano Huck, da Globo, está na Inglaterra e nesta quinta-feira irá gravar um quadro do seu Caldeirão do Huck com dois craques do Chelsea e da seleção brasileira: Oscar e David Luiz.

A ideia é que torcedores brasileiros que morem em Londres se encontrem com o zagueiro e o meia no Victoria Park (que fica cerca de meia hora do Stamford Brigde), às 15 horas, e façam perguntas aos dois jogadores que estarão na Copa do Mundo de 2014.

Huck usou a hashtag “Caldeirão rumo a Copa”, mas ainda não há informação se isto será um quadro fixo na atração ou apenas uma matéria.

#uolbr_geraModulos(‘embed-lista’,'/2014/veja-tambem-1397747932365.vm’)

Enquanto não gravava o quadro Luciano Huck aproveitou para tietar Oscar e David Luiz: ele fez um selfie com os jogadores do Brasil e jantou com familiares, em um evento que contou uma a presença do ex-jogador Ronaldo – tudo devidamente registrado no Instagram.

Esta é mais uma das novidades da Globo esquentando o Mundial. A emissora já havia estreado o programa “Rumo a Copa” e está veiculando em sua programação chamadas seu jingle de futebol cantado por diversos cantores pop como Luan Santana e Sandy.

O Caldeirão do Huck vai ao ar todos os sábados, às 16h10.


Comentarista do Sportv se irrita com tenista italiano: “Folgado, arrogante”
Comentários 5

UOL Esporte

O comentarista do Sportv, Dácio Campos, se irritou com a postura do italiano Fabio Fognini durante o jogo contra o francês Jo-Wilfred Tsonga, nesta quinta-feira, e perdeu a linha.

Além de duras críticas, Dácio ainda lamentou que Tsonga não tenha dado uma bolada nas costas de Fognini quando teve a oportunidade em um ponto: “Ah, que sorte do Fognini que era o Tsonga ali”, disse.

A irritação do comentarista parece existir de longa data. O italiano é considerado um dos jogadores mais polêmicos do circuito.

Desta vez, Fognini reclamou muito com a arbitragem, pediu para que um dos juízes de linha fosse trocado (não foi atendido), jogou a raquete no chão mais de uma vez, e ainda respondeu com rispidez ao árbitro principal, o brasileiro Carlos Bernardes. No fim, saiu muito vaiado de quadra pela torcida.

No episódio com Bernardes, ele não gostou quando o brasileiro o informou de que Tsonga tinha saído de quadra para ir ao banheiro e foi grosseiro: “Eu não me importo”, disse enquanto recebia atendimento médico.

Esse momento foi a gota d’água para Dácio Campos descarregar todo o seu arsenal de críticas sobre o italiano.

Fognini acabou perdendo a partida, de virada, por 2 sets a 1, com parciais de 7/5, 6/3 e 6/0.

Confira abaixo as principais frases de Dácio sobre Fognini:

- “Tem que dar uma advertência e depois mandar ele [Fognini] pro chuveiro. Não tem que sentar do lado dele e passar a mão na cabeça dele. Só assim pra ele deixar de ser folgado”.

- “Várias pessoas ali do lado dele abanando… Na verdade o Fonini precisaria fazer um pouquinho de vale tudo. Pra ficar um pouquinho mais esperto”.

- “No intervalo vocês não estavam aqui. Ele xingou, falou que todos os juízes ali eram iguais”.

- “Sai vaiado da quadra mais uma vez, é o que ele gosta, é o que ele merece. É um cidadão que se alimenta de vaias”.

- “É um cidadão extremamente arrogante, deselegante. O ‘príncipe’ Fognini ainda não aprendeu a viver no meio dos terráqueos. Quem sabe um dia”.


Jô abusa de piadas com gordos, e Walter revela dieta da geladeira trancada
Comentários 8

UOL Esporte

Walter

Convidado do programa do Jô, o atacante Walter encarou uma série de piadas sobre gordinhos do apresentador. Desde o início, o jogador do Fluminense já percebeu que as brincadeiras seriam muitas.

Ao dar uma camisa do Fluminense de presente para Jô Soares, o atacante escutou: “Se era sua, deve dar em mim”, falou o apresentador, arrancando gargalhada do boleiro.

Na sequência, Walter disse que estava mais magro, que perdeu 14 quilos e estava com 92 agora. Esse foi mais um pretexto para nova brincadeira de Jô.

“Estamos pesando quase a mesma coisa. Estou com 96, quer dizer, falta pouco. É que não tenho jogado”, disse antes de desvendar o mistério do regime do atacante. “Eu descobri qual é seu segredo, agora, quem come é seu assessor que está ali na segunda fila. Tudo que você ia comer, ele manda para dentro”, completou.

Até quando o assunto foi o microfone de Walter, que deu problema, Jô Soares não perdeu a chance de fazer piadas. “A gente vai trocar o seu microfone, porque o outro, alguém comeu o som dele”, disse.

Walter

Walter

#uolbr_tagAlbumEmbed(‘tagalbum’,’21588′, ”)

Quando as brincadeiras diminuíram, e Walter finalmente pôde contar como tem sido sua batalha contra a balança, o atacante revelou que sua mulher é a principal ‘marcadora’.

“Minha esposa pega no meu pé direto. Quando vou comer algo diferente, ela fala que não pode, esconde, tranca o armário. Tem duas geladeiras, uma que pode comer, e outra que não. A que pode fica liberada, a outra fica trancada, é difícil”, completou antes de falar o que mais sente falta.

“Bolacha recheada. Eu pego no pé da Renata, que cuida da nossa comida lá no Fluminense, para ela me liberar um dia. Vai fazer quatro meses que não como uma bolacha recheada, estou com saudade”, falou o jogador. “Não consigo comer uma, pego o pacote todo, pegava e comia”, complementou o atacante que disse que comia sanduíches como o x-tudo antes de dormir.

Sobre estar magro, além das mudanças no campo, velocidade e maior resistência, Walter disse que as roupas o agradam bastante.

“Melhor de tudo é quando você vai lá ver a roupa, está larga. Tem de comprar roupa. Isso é o melhor de tudo”, finalizou.

No fim da conversa, Jô Soares, que classificou a conversa como um papo entre um gordo e um ex-gordo, voltou a brincar e fez questão de dizer que irá gritar na torcida por Walter. “Aí gordo, vai”, encerrou o apresentador, arrancando um último sorriso do jogador.


Juvenal abusa de frases de efeito, esquece nomes e diverte bancada da ESPN
Comentários 83

UOL Esporte

Juvenal Juvêncio, presidente do São Paulo, mostrou mais uma vez seu lado divertido. Em entrevista ao Bola da Vez, da ESPN Brasil, exibida nesta terça-feira, o dirigente são-paulino, que vive seu último dia de mandato nesta quarta, abusou de frases de efeito, esqueceu alguns nomes e arrancou risadas dos jornalistas da emissora.

A cada pergunta e resposta, a bancada se divertia com as frases do presidente são-paulino. Juca Kfouri, um dos entrevistadores que compuseram o programa, foi um dos que mais se divertiu. Um desses momentos, ao falar sobre o dinheiro que Juvenal deu para os jogadores dentro de campo.

“Em 1987, na hora de bater pênaltis em Campinas que fomos campeões, entrei em campo. Acertei bicho na hora que bateu o pênalti. É premio, posso dar para o meu jogador. Saímos com a taça e eles com dinheiro, que não cabia no bolso”, disse o presidente, pouco antes de falar sobre já ter oferecido dinheiro para os jogadores pelados no banho dentro do vestiário.

Alguns lapsos de memória de Juvenal, propositais ou não, também causavam risos. Em três oportunidades, ao tentar falar alguns nomes, ele precisou da ajuda dos jornalistas.

Ao comentar sobre times da Europa, o dirigente pensou um pouco e começou a falar sobre o “Atlantic City”. Logo ele foi corrigido, pois o time era o Manchester City. Carlos Alberto, que defendeu o São Paulo, e Bebeto de Freitas, ex-presidente do Botafogo, foram outros esquecidos. O segundo, citado “como era o nome daquele que jogava vôlei?”.

Outro momento curioso de Juvenal foi ao comentar sobre Rogério Ceni. “Esse programa é ao vivo ou gravado?”, questionou já no terceiro bloco.

Além dos esquecimentos, com direito a um “o que eu estava falando mesmo?”, Juvenal disse várias frases de efeito. “Dividir a taça é igual dividir a mulher, não existe”, falou relembrando da polêmica do campeão nacional de 1987 e da disputa pela Taça das Bolinhas entre São Paulo e Flamengo.

Outro pensamento de efeito dito pelo são-paulino foi sobre a Copa. “Estava em um quarto tinha um boi olhando para mim, ciscando o chão e a porta trancada. Quando apareceu outro estádio, disse estou salvo, só Deus para me salvar”, completou.

Mas apesar da descontração que permeou o programa, o Bola da Vez com Juvenal Juvêncio contou com revelações importantes e opiniões fortes do presidente. Entre elas a de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a quem o mandatário desfiou elogios, era favorável ao Morumbi na Copa do Mundo. Para Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, sobraram apenas críticas. “Foi aproveitador”.

Juvenal Juvêncio
Juvenal Juvêncio

#uolbr_tagAlbumEmbed(‘tagalbum’,’14314′, ”)


Arnaldo vira coelho da Páscoa, distribuiu chocolates e vê “inflação do ovo”
Comentários Comente

UOL Esporte

ar

Crédito da foto: Reprodução

O espírito de Páscoa tomou conta do “Bem, Amigos”, do SporTV, nesta segunda-feira. Em um momento de pura inspiração, Arnaldo Cézar Coelho quebrou o protocolo do programa, se levantou e começou a distribuir ovos de páscoa para todos os participantes da atração.

A surpresa, que na verdade é uma espécie de tradição já realizada em outros anos, foi recebida de forma descontraída pelos companheiros do ex-árbitro no canal. Lentamente, Arnaldo presenteou a todos, até mesmo o câmera apelidado como Pincel recebeu o seu. Quem se deu melhor foi o técnico Jayme de Almeida, do Flamengo. O convidado recebeu uma série de pequenos ovos.

Apesar do gesto singelo, Arnaldo não escapou de ser “cornetado” por seus companheiros. Em determinado momento, o ex-árbitro recebeu “criticas” por ter diminuído o presente em relação aos últimos anos. O que antes era um coelhinho da páscoa para os companheiros virou apenas pequenos ovos de chocolate.

A situação levou Arnaldo a defender sua teoria da “inflação do ovo de Páscoa”.

“Há quatro anos eu tinha uma verba. A verba continua a mesma, mas o preço do ovo de páscoa aumentou tanto que a verba não deu mais. Isso se chama inflação”, disse.


Vascaíno, Fabio Porchat corneta arbitragem e Flamengo após final no RJ
Comentários 77

UOL Esporte

porchat2

O humorista Fabio Porchat não poupou a arbitragem do jogo entre Flamengo e Vasco neste domingo. Ao ser questionado sobre a final digna que o seu time do coração fez na decisão do Estadual do Rio de Janeiro, ele disparou.

“O Vasco para ganhar do Flamengo tem gol anulado, gol que é impedido e não sai. Quero que a Globo quando mostre o Flamengo campeão, mostre gol impedido e fale bastante disso. Para o Flamengo ganhar do Vasco só assim mesmo”, falou o humorista.

Para não levar o assunto muito para frente, Alex Escobar, que estava com os convidados na Globo, falou um “só assim” e trocou de assunto a conversa.

A grande polêmica do jogo deste domingo foi o gol marcado por Marcio Araújo nos minutos finais. O volante estava em posição irregular e o seu feito deu o título do Flamengo contra o Vasco.


Felipão solta a voz e até samba em programa de Regina Casé
Comentários 22

UOL Esporte

FELIPAO CANTANDO NO ESQUENTA

Felipão canta ao lado de Zeca Pagodinho no “Esquenta”

O técnico Luiz Felipe Scolari foi o convidado especial do retorno do programa “Esquenta”, comandado por Regina Casé na TV Globo. Felipão entrou no clima descontraído do programa e até caiu no samba, com direito a cantar uma música.

Ao lado do coordenador-técnico da seleção, Carlos Alberto Parreira, Felipão mostrou um pouco de timidez de início, mas foi se soltando aos poucos no ritmo das músicas de Arlindo Cruz, Xande de Pilares, entre outros .

A música cantada pelo treinador foi o tema da seleção na conquista da Copa do Mundo de 2002, quando Felipão era o comandante do Brasil, “Deixa a vida me levar”, de Zeca Pagodinho, que estava no palco. Parreira estava mais contido, mas Felipão soltou a voz e chegou a arriscar alguns passinhos enquanto cantava.

O programa contou com a presença em peso da comissão técnica do Brasil. Felipão contou como começou no mundo do futebol, fez elogios ao craque Neymar e falou até sobre política, pedindo aos governantes atitudes para melhorar o país em longo prazo.

 


Sexo antes do jogo? Falcão diz que vira artilheiro quando namora na véspera
Comentários Comente

UOL Esporte

falcao

Crédito da foto: Reprodução/SBT

Um dos maiores nomes da história do futsal brasileiro e mundial, o jogador Falcão disse que o sexo na véspera da partida o ajudava dentro de quadra. Questionado por Lívia Andrade no programa Arena SBT, o atleta não fugiu da pergunta.

“No dia de jogo é complicado né. Um dia antes de jogo, nós ainda que não concentramos, e tem o dia no jogo seguinte, quando estou lá em casa com a minha esposa e eu namoro, no dia seguinte, eu faço três gols”, disse o jogador.

“Não deixa de ser um treinamento”, se divertiu a apresentadora na sequência da resposta do jogador.

Smigol, outro integrante do programa, disse que a relação sexual do atleta o ajuda nos lances plásticos. “Para fazer aqueles dribles precisa estar soltinho”, brincou.

Recentemente, o técnico Felipão, da seleção brasileira, liberou sexo antes das partidas para os jogadores na Copa desde que os atletas não façam “malabarismo”.


Após morte de lutador, canal da Globosat cria exigência e perde eventos
Comentários 23

UOL Esporte

Jungle Fight
Jungle Fight

[tagalbum id="55482"]

Maurício Dehò
Do UOL, em São Paulo

O canal Combate, da Globosat, é há 12 anos a única referência quando se fala em transmissões de MMA, com o domínio do mercado e a parceria com os maiores eventos do país. Mas, desde que tomou a decisão de exigir em seus novos contratos a filiação junto à Comissão Atlética Brasileira de MMA – a mesma que regulamenta o UFC no país – e o cumprimento de seus regulamentos, o cenário mudou. A medida vem causando êxodo de organizações, impasse com os dois carros-chefe da casa e o canal já vê um aumento na concorrência de outros veículos interessados em investir nas artes marcias mistas.

Segundo o blog apurou, a morte do lutador Leandro Feijão no dia da pesagem de sua luta no Shooto 43, em setembro de 2013, aumentou a preocupação do canal em ampliar as medidas de segurança dos eventos que transmite, algo que já vinha sendo discutido, mas que ganhou um impacto maior com o incidente. A solução foi firmar uma parceria com uma confederação ou comissão que regulamentasse as organizações e implementasse um protocolo mínimo de segurança. Já parceira do UFC, principal atração do canal, a CABMMA foi a escolha óbvia para isso.

  • 17974
  • true
  • http://esporte.uol.com.br/enquetes/2013/12/19/voce-acompanha-eventos-de-mma-alem-do-ufc.js

O problema é que impor aos eventos a filiação à comissão esbarra em disputas políticas e discussões financeiras. Como as leis brasileiras permitem a criação de diversas confederações para uma modalidade, e os promotores já tem seus acordos firmados com suas respectivas entidades parceiras, a exigência de que se unam à CABMMA vira um entrave na mesa de negociação.

Juntar-se à entidade acaba gerando procedimentos obrigatórios e gastos com filiação e principalmente com exames médicos exigidos neste protocolo mínimo de segurança. Eles são alvo de reclamação por parte de eventos como o Wocs. A parceria com o canal Combate foi encerrada após seis anos, o evento migrou e já estreou no Esporte Interativo.

Otávio Duarte, um dos organizadores do Wocs, explica que os exames exigidos pela CABMMA podem custar até R$ 3 mil. “Nós até corremos atrás, fizemos uma parceria com a secretaria de saúde para os exames, que custam quase R$ 3 mil. Não somos contra a atenção à saúde dos lutadores, mas os caras são de comunidades carentes. Muitos não têm condição de bancar a filiação, já que são R$ 150 reais do lutador e mais R$ 100 de cada corner, quanto mais exames.”

“Mas a decisão da nossa saída culminou, na verdade, no impasse em relação à parte amadora do nosso evento, já que nossos preliminares têm lutas amadoras. A CABMMA se achou no direito a intervir nisso. Já tínhamos sido procurados pelo Esporte Interativo, então resolvemos ir por outro caminho. Fazemos tudo o que é correto, como a Comissão queria, mas em outro lugar”, adicionou Duarte.

O Coliseu Extreme Fight é outro exemplo de evento que preferiu outra via, apostando que não é necessário estar no canal Combate para ter seu evento visto. A opção também foi pelo Esporte Interativo. O evento alagoano já considerava a mudança por pensar que merecia maior atenção às suas promoções. Ao ouvir as novas exigências do Combate, confirmou sua saída do canal – neste caso, a exigência que causou problemas foi a dos árbitros que servem ao Coliseu também terem de se filiar à comissão, o que não os interessava.

Carros-chefe, Shooto e Jungle não aceitam exigência

O problema para o Combate não é com o Wocs e o Coliseu, torneios de média expressão, mas sim com seus maiores eventos em nível nacional. Tanto o Jungle Fight, liderado por Wallid Ismail, quanto o Shooto, comandado por Dedé Pederneiras, não tem qualquer intenção de trabalhar com a Comissão Atlética Brasileira de MMA. Como o canal só pode exigir a filiação na negociação de novos contratos e ambos ainda estão com longos acordos pendentes, o debate ficou para um segundo momento, mas o cenário é desfavorável.

Wallid é duro ao falar do tema. “O Combate não tem como – nem eticamente – querer regulamentar o esporte. Ele já é regulamentado por cada liga. A Lei Pelé dá poderes para se abrir confederações e ligas. Tanto que fui o primeiro evento a pedir exames iguais à Comissão Atlética de Nevada”, diz o empresário e ex-lutador. “O Combate sabe disso, eles não tem como exigir do Jungle… Nós somos os líderes de audiência. Isso agora vai abrir uma concorrência animal (com outros veículos).”

Concorrência pelo MMA

  • Com o aumento na qualidade e no número de eventos, o espaço para a transmissão de MMA nacional cresceu e a concorrência ficou mais acirrada. Bom para o telespectador, que tem cada vez mais opções, mesmo que um fim de semana não tenha o mais tradicional UFC . Hoje a concorrência ao Combate cresceu com o êxodo de eventos nacionais. O Esporte Interativo saiu na frente e também há a opção de serem transmitidos por sites especializados em MMA e grandes portais. No âmbito internacional, o Esporte Interativo mostra o World Series of Fighting e o Bellator, o Fox Sports atualmente transmite também o Bellator – estes são os dois grandes concorrentes do UFC – e a RedeTV, o XFC. Pelos canais Globo, o Combate transmite a todos os UFCs na íntegra. Globo e SporTV têm algumas programações ao ano, sendo que a Rede Globo passa ao vivo apenas eventos realizados no Brasil, enquanto os internacionais são exibidos em VTs com ao menos 30 minutos de atraso.

Para Wallid, a questão com a comissão é política. “No meu ponto de vista, a CABMMA tinha de permitir que os eventos tenham uma voz ali dentro, votem. Acho engraçado quem não é do esporte cair de paraquedas querendo mandar. Não vai acontecer. Só se fizerem uma coisa democrática”, critica ele, sobre a comissão.

O Shooto Brasil, por outro lado, prefere não comentar as diferenças com a Comissão. O evento se diz regulamentado pela Shooto Comission – entidade da matriz do Shooto, no Japão – e pela Confederação Brasileira de MMA e afirma que, como ainda tem três anos de contrato com o Combate sem a previsão de ter que se filiar à CABMMA, não vai alterar seus procedimentos.

Combate e CABMMA explicam parceria e exigências

O blog consultou tanto a Comissão Atlética Brasileira de MMA quanto o canal Combate sobre a medida implantada este ano. Segundo a emissora, a opção pela CABMMA diz respeito não só a aspectos de segurança e saúde dos atletas, mas a questões de arbitragem, regulamento e resultados.

“Com a chancela da Comissão, os eventos se desvinculam completamente de questões relativas à arbitragem e resultado das lutas, pesagem, padrões de segurança e integridade física dos atletas, entre outras coisas”, afirmou o canal, em nota. O Combate alega que apenas “sugere” a filiação à CABMMA.

Rafael Favetti, presidente da CABMMA, defende que a entidade é “diferente” das outras confederações. E ataca o amadorismo de alguns eventos.

“A legitimidade da CABMMA vem da nossa independência. Um evento que tenha a nossa chancela sabe que terá uma auditoria independente. A CABMMA não gerencia atleta, não organiza evento. E nós temos a completa noção do que iria acontecer. É um caminho natural os eventos amadores se sentirem ameaçados pela Comissão. Nós sabíamos que o tempo da profissionalização iria chegar e iria deixar muita gente descontente”, afirma ele.

  • 25108
  • true
  • http://esporte.uol.com.br/enquetes/2014/04/11/qual-o-melhor-evento-nacional-de-mma-atualmente.js

“Creio que o canal Combate entendeu que o momento é de profissionalização no esporte. Não há mais espaço para eventos extremamente amadores, que expõe atletas a riscos. Chega. É hora de colocar a saúde dos atletas de MMA como prioridade. O promotor que não aceita está colocando um baita de um pretexto para expor a saúde dos atletas. Um pretexto para não investir nos atletas e embolsar o dinheiro. O promotor de eventos que fala isso, que às vezes ganha milhares de reais com patrocínios públicos e privados e não quer investir a mais na saúde com um protocolo, só pensa no bolso dele”, acusa Favetti, advogado e ex- secretário executivo do Ministério da Justiça.

Sobre as críticas, principalmente quanto à exigência da cara bateria de exames imposta aos eventos, a CABMMA afirma que a intenção é de que as organizações arquem com os custos, e não os lutadores.

“Acreditamos que os eventos e empresários dos atletas não devem encarar apenas como custos, mas sim como investimento”, afirma o canal Combate. “O que é mais caro, um exame que resguarda a saúde do atleta e vale por três anos ou algo que comprometa a vida do lutador? É uma ação que visa manter a integridade dos atletas, dos eventos e profissionalizar o esporte. É o modelo usado por todas as principais organizações em países de primeiro mundo, um investimento em qualidade e segurança em prol do crescimento, profissionalização e regulamentação do MMA no Brasil, inclusive sob os olhos de quem critica a modalidade. Uma entidade que regulamenta o esporte chega, inclusive, para dar maior credibilidade aos eventos.”

Um dos eventos que aceitou se filiar à CABMMA foi o Fatality Arena. “O Fatality Arena arcou com os exames e os eventos têm que fazer o mesmo. Há duas opções, ou se paga melhor o atleta, ou se arca com as despesas. Pode-se ainda fazer parceria com algum grande hospital em troca de propaganda”, afirma o organizador Diogo Tavares.

Outra crítica feita à CABMMA é em relação a uma suposta falta de contrapartida para os atletas, frente aos gastos que se tem com ela: comissões atléticas norte-americanas exigem seguro de saúde para os lutadores e garantem que os competidores receberão suas bolsas, fazendo com que as organizações depositem previamente os valores estipulados. Nos dois casos, a comissão afirma que não tem amparo legal para fazer tais exigências. Sobre a taxa de filiação, Favetti afirma que o valor se refere ao que é gasto pela Comissão para que se levante e comprove oficialmente o cartel dos lutadores – que muitas vezes apresentam dados duvidosos.

“Há promotores que fazem eventos há dez, 20 anos e nunca se preocuparam com essas questões. Mas assina quem quer, se não quer, que pelo menos respeite um protocolo mínimo de segurança. Nossas brigas políticas não são com promotores, mas sim com quem quer acabar com o esporte no Brasil. Pessoas como o deputado José Mentor”, conclui o presidente da CABMMA, citando o político que em 2009 criou um projeto para banir o MMA da TV aberta.

Sangue, suor e… ‘porrada’
Sangue, suor e… ‘porrada’

[tagalbum id="51086"]


10 coisas que o Galvão Bueno já fez e você não sabe
Comentários 194

UOL Esporte

É ano de Copa, e Galvão Bueno terá posição de destaque como principal narrador da TV brasileira, o que só se amplia pelo fato de o Mundial ser realizado no Brasil. Mas do lado locutor do veterano de 63 anos todos já conhecem muito bem: dos bordões às gafes, das narrações históricas às contemporâneas.

Mas não é só disso que viveu e vive Galvão. Então, o UOL Esporte Vê TV separou diversos fatos pouco conhecidos ou simplesmente esquecidos de Carlos Eduardo dos Santos Galvão Bueno – sim, esse é seu nome de batismo. Você sabia, por exemplo, que ele já apareceu na Globo jogando sinuca? E que ele já trabalhou em uma fábrica de plásticos? Confira abaixo a lista:

1. Galvão trabalhou em fábrica de plástico

Galvão Bueno nem sempre foi narrador. O amor por esportes sempre existiu. Ele chegou a praticar hipismo, vôlei, futebol, handebol, natação e kart. Mas pelo jeito não teve talento para estar do outro lado do que se vê hoje. Profissionalmente, ele chegou a trabalhar em uma fábrica de plásticos antes de encontrar seu caminho no rádio e em seguida na TV.

2. Galvão mostrou ser um ás da sinuca na TV
Na passagem de 1991 para 1992, Galvão foi escalado para a Globo para participar das vinhetas de fim de ano. E o que se vê é o narrador mostrando seus dotes na sinuca, mas certamente curioso. “Bem, amigos, uma coisa que eu sempre tive uma imensa vontade foi ser uma fera no jogo de sinuca. Eu fico me imaginando disputando uma final de campeonato mundial, em Londres. Mas o máximo que consegui até hoje foi rasgar o pano”, diz ele, dando a tacada e acertando uma jogada acrobática. Na conclusão, um sorriso e o slogan: “Invente, tente, faça um 92 diferente.”


 

3. Galvão narrou Libertadores fora da Globo
Galvão já tem mais de três décadas de história com a Rede Globo – depois de passar por Gazeta, Record e Bandeirantes. Mas em um momento da década de 1990 ele foi buscar um outro caminho, você se lembra? Ele assinou com a Rede OM, que depois virou CNT, e passou a transmitir jogos da Libertadores pela emissora. Foi fora da Globo que Galvão narrou o primeiro título da Libertadores do São Paulo. Mesmo com algum sucesso, a coisa não foi para frente e logo Galvão retornou para a Globo e conquistou seu espaço como número 1 do canal.


 

  • 16507
  • true
  • http://esporte.uol.com.br/enquetes/2013/11/13/quem-e-seu-narrador-preferido-na-globo.js

4. Galvão já caiu do cavalo. Literalmente
Galvão tem fazendas e sempre apreciou montar cavalos. No início de 2004, em uma propriedade que possui em Londrina, ele acabou se acidentando quando um cavalo se assustou e empinou, derrubando-o. O caso foi grave, o narrador quebrou o braço esquerdo em quatro lugares e teve de ser operado, afastando-se da televisão por um tempo.

5. Galvão já fez plásticas
Com a idade chegando, o narrador não poderia deixar de cuidar da imagem, até porque faz parte do seu trabalho na tela. Galvão já admitiu ter feito plástica para dar um “upgrade” nas pálpebras. Rumores dão conta que ele também já fez lipoaspiração e um procedimento para diminuir a marca de bolsas que tinha sob os olhos. O tema não é tabu para ele, que em 2010 disse: “Acho até que tá na hora de dar um tapinha aqui [no pescoço]. O papinho tá feio. Tá caído aqui, ó!”

6. Galvão não gosta de usar crachá
Os resultados do esporte brasileiro no início da década passada ajudaram Galvão Bueno a viver naquele período um de seus momentos de maior exposição perante o público brasileiro. Era ouro olímpico no vôlei, seleção de futebol ganhando tudo, Barrichello na Ferrari, Ronaldinho melhor do mundo, tudo com a narração do global. Mas tamanha popularidade e repercussão fez com que Galvão acreditasse que pudesse dispensar o uso de credenciais, inclusive aquelas com foto. Para quê, se todos sabiam quem ele era? O narrador chegou a questionar isso. Em 2012, um vídeo circulou pela internet em que ele tentava entrar no centro olímpico, mas era barrado por não ter credencial – até o programa de TV “Pânico” caçoou do locutor, entregando uma credencial falsa para ele.


 

7. Galvão ajudou a trazer o Burger King ao Brasil
A vinda da empresa de fast food Burger King ao Brasil, em 2007, teve a ajuda de diversos nomes fortes do cenário nacional. Entre eles Galvão, que se juntou a um grupo que contava até com Helio Castroneves para lançar a BGK do Brasil. Galvão foi um dos sócios minoritários na negociação, que acabou em disputa judicial e o afastamento do locutor do empreendimento tempos depois.

8. Galvão cria gado e produz vinho
Além de seu milionário trabalho na Globo, Galvão tem outros negócios na manga. Ele possui fazendas em que cria gado e realiza inclusive leilões para vender cabeças. Outra atividade é a produção de vinho que ele desenvolve desde 2006, quando criou a Bueno Wines, que produz vinhos no Sul e também na Itália, sempre levando seu nome.

9. Galvão quase deixou um jogo no meio
Em entrevista a Monica Bergamo, Galvão relembrou um drama na Copa de 2010, quando quase deixou uma transmissão. “No jogo de Brasil e Holanda, eu travei. A minha voz falhava, parecia carro de embreagem ruim. O Cleber Machado chegou a ficar de prontidão. Me apavorei.” O problema foi um fungo nas cordas vocais, que exigiu um longo tratamento e muitos remédios.

10. Galvão já cometeu (muitas) gafes
Com tanta experiência na TV, é claro que Galvão não escaparia de cometer erros memoráveis. Um dos mais famosos foi quando em 1974 Galvão transmitiu a Copa da Alemanha, numa parceria das TVs Gazeta, Record e Bandeirantes. O jogo era, segundo ele Bulgária x Suécia. No entanto, no fim do primeiro tempo a câmera mostrou o letreiro: Alemanha Oriental 0 x 0 Austrália. Galvão então mudou tudo e passou a narrar corretamente. Em outro caso, na sua estreia na Globo com a Fórmula 1, ele narrou uma vitória que pensava ser de Carlos Reutemann e, só na volta do intervalo, ele viu que quem subia no lugar mais alto do pódio era Alain Prost. E mais recentemente, ele fez o improvável: deixou de narrar um gol; foi em um amistoso contra a África do Sul. Conheça mais gafes e causos dele na TV.

E, para encerrar, uma coisa que ele ainda fará:
Uma novidade que ainda veremos Galvão Bueno executar será justamente durante a Copa. Isso porque ele assumirá um lugar fixo no Jornal Nacional, segundo a Globo divulgou recentemente. Ele estará com Patrícia Poeta na apresentação, mas não na bancada. Eles viajarão acompanhando a seleção brasileira durante o Mundial.