Blog UOL Esporte vê TV

Chamado de tonto, Benja diz que Pascoal morreu para ele em discussão na FOX

UOL Esporte

O programa FOX Sports Rádio desta segunda-feira foi palco de uma discussão fortíssima entre o apresentador Benjamin Back e o comentarista Osvaldo Pascoal. O clima esquentou após o analista chamar o comandante da mesa futebolística de tonto, em meio a um intenso debate sobre o fair play do zagueiro são-paulino Rodrigo Caio no clássico contra o Corinthians, quando avisou o árbitro Luiz Flávio de Oliveira que foi ele quem atingiu o goleiro Renan Ribeiro, e não o atacante adversário Jô.

Benja, ao contrário de todos os integrantes do programa, admitiu que não teria a mesma postura do jogador. ''Eu infelizmente não acho que será um divisor de águas'', comentou, no que Pascoal contra-argumentou: ''Alguém tinha que ter dado o primeiro passo, Benjamin.''

''Gente, eu não estou criticando. Acho que o Rodrigo Caio foi corajoso, foi macho. Foi bem demais, só que eu não acredito que será um divisor de águas'', reforçou Benja, diante das opiniões contrárias à dele dos colegas de mesa.

''Não acho que deva ser um ato de coragem, foi um ato de caráter. Quando você está certo, faz o que é certo'', opinou Flavio Gomes.

''Gente, pera aí, 0 a 0, São Paulo e Corinthians e valendo uma vaga para uma final de Campeonato Paulista, tem um pênalti, aí o cara fala: 'Juizão, olha não foi'. Isso não é ser corajoso? Vamos parar de demagogia. Não é coragem isso? É o quê?'', indignou-se Benja.

Foi então que Pascoal fez questão de mencionar que, enquanto repórter, já havia presenciado ato similar de honestidade no futebol. ''Eu já vi isso no futebol, Benjamin. Claro que numa escala muito menor. São José e Taubaté, eu era repórter da Rádio Clube de Taubaté. Tião Marino, do São José, entrou na área e fez o gol com a mão. O árbitro era José de Assis Aragão e falou para ele: 'Timão, você fez o gol com a mão?'. Ele falou: 'Fiz'. Aquele gol foi anulado. Para mim não é novidade. Aplauso pela dignidade.''

Benja minimizou o relato, falando que a discussão era em jogos grandes, clássicos, e questionou: ''Flamengo e Vasco, o Luis Fabiano faz um gol com a mão e ele fala: 'ô, juizão, foi com a mão'. Não é coragem isso? É o quê? Tomara que seja um divisor de águas, torço, mas não acredito.''

''Você pode ter pai e mãe que te deem bons exemplos e num jogo de futebol, numa adrenalina. Desculpa, gente, não vou nessa, não. Aí estou vendo uma demagogia no negócio'', desabafou, diante das manifestações dos companheiros, creditando a atitude à educação familiar de Rodrigo Caio.

''Não, é uma opinião. Por que você não concorda, eu sou demagogo? Eu posso achar que você é demagogo, também'', disparou Eduardo Savoia, comentarista presente no programa, incomodado com a fala de Benja, que retrucou: ''Porque o único sincero aqui sou eu. Se eu fosse jogador, eu acho que não faria isso (ato de fair play, como o de Rodrigo Caio).''

''Isso é uma questão individual'', pontual Pascoal, fazendo coro Savoia e demais, contrários a opinião do apresentador.

''Isso não é índole. Eu me considero um cara honesto e de caráter. Agora, se eu estou numa decisão, sou jogador de futebol, uma pressão, jogo televisionado, torcida, cobrança, estou sendo sincero'', justificou-se Back.

Após o comentário, Fabio Sormani, outro debatedor da atração, confrontou o colega: ''Você está sendo corajoso de falar. Se aparecer uma mala cheia de dinheiro do seu lado no metrô, na sua frente, você pega, não resiste? Você não devolve?''

''Não, não é a mesma coisa'', rebateu Benja. ''Você está deturpando uma história. O próprio jogador que faz o gol de mão e não fala, ele não vai pegar uma de dinheiro no metrô. Eu estou resumindo a uma atitude de campo, de jogo, só'', disse.

''Qual é a diferença?'', questionou-o Pascoal. ''Tem um árbitro que decide o que é o que não é'', devolveu o apresentador. ''A sociedade tem um juiz que decide o que é e o que não é'', retrucou o comentarista.

''Ô gente, quantas vezes o Pelé não cometeu…?'', argumentou Benja.

''São nas pequenas coisas que se revelam a índole de uma pessoa'', devolveu Sormani.

''Gente, eu estou sendo aqui o advogado do diabo, estou mostrando os dois lados. O Maradona fez o gol com a mão e não foi lá falar: 'Pera aí'. Porque se ele fala numa final de Copa, e a Argentina perde o título, talvez ele nem volte a jogar mais. Eu não defendo que o jogador tenha que sacanear, trapacear. Agora, eu entendo o lado dos caras. Está dentro do campo. Estou me colocando no lugar'', defendeu-se o comandante do programa.

Pascoal se incomodou: ''A sua dubiedade eu não entendo. É a favor do gesto do Rodrigo Caio, mas não faria o mesmo.''

''Você não pode dizer que quando entra em campo vale tudo, Benja. Não vale tudo'', enfatizou o comentarista.

''Na hora de um jogo de futebol, você está numa adrenalina a mil, no calor da coisa, com milhões de pessoas te assistindo, tem cobrança, pressão. O Rodrigo Caio foi bem pra caramba, foi espetacular. Agora, ele teve uma frieza na hora que eu não teria'', afirmou Benja.

''Claro, é (atitude) difícil de ser encontrada, teve e por isso estamos aplaudindo, estamos considerando o caráter, a expressão do ato dele'', comentou Pascoal.

''Quem está desconsiderando o ato dele?'', perguntou Benja. ''Ninguém, você apenas disse que não faria'', reforçou Osvaldo Pascoal.

Em meio ao debate, até então apenas no campo das discordâncias, o apresentador desabafou: ''Juro por Deus que estou surpreso com os senhores aqui, no ar condicionado, analisando, frio, sentados, num sofá, numa cabine. Os caras estão lá numa tensão, uma adrenalina e querem que o cara… Vocês estão loucos'', disparou.

A fala tirou Pascoal do sério e, após uma salva de palmas de todos para a atitude de Rodrigo Caio, o comentarista, bastante exaltado, confrontou Back: ''Rodrigo Caio, vou te aplaudir e seu eu puder todo dia vou falar da sua dignidade, da sua honradez, da sua postura. Aqui não tem nenhum xarope que está falando ao contrário. Aqui não tem nenhum retardado que está falando ao contrário. Aqui não tem tonto nem bobo da bola, não.''

''Para quem você está falando isso?'', quis saber Benja, incomodado. ''Para você'', devolveu Pascoal.

''Você está me chamando de retardado?'', insistiu o apresentador, contrariado com o que acabava de ouvir.

''Estou te chamando de tonto, porque o que você está desrespeitando a opinião de todo mundo, está desacreditando no que todo mundo disse, que a adrenalina é superior a moral, à responsabilidade e ao respeito. Eu não aceito isso, porque eu não passo o sinal vermelho, não jogo papel no chão, não cometo nenhuma infração porque acho que a sociedade tem que melhorar e eu posso ajudar nisso, então faço o que posso. Então, Rodrigo Caio, vou continuar te aplaudindo todos os dias'', afirmou o comentarista.

Benjamin Back não gostou: ''Eu vou te dar a chance de você chegar para mim e falar: 'Eu me exaltei e vou te pedir desculpa'. A partir do momento que você falar que vai pedir desculpas pelas atrocidades que falou para mim, continuarei a conversar na maior…''

''Você desqualificou todo mundo, disse que todo mundo aqui está dando opinião fora de contexto, desconexa'', devolveu Pascoal.

''Não desqualifiquei ninguém. Vou repetir: vou te dar a oportunidade de pedir desculpas para mim. Não vai pedir?'', questionou o apresentador, magoado com o colega.

''Desculpa por que, Benjamin?'', devolveu o comentarista.

''Então, a partir desse momento, eu com você não falo absolutamente nada. O senhor foi desrespeitoso e mostrou…'', falou Back.

''O senhor foi desrespeitoso com todo mundo'', argumentou o comentarista.

''Quem é mal-educado e não tem caráter na mesa é o senhor'', rebateu Benja. ''O senhor mostrou agora.''

''Não, senhor'', devolveu Pascoal. ''Se o senhor se sentiu ofendido, você me desculpa'', tentou apaziguar a situação o comentarista.

''O senhor para mim hoje, fico chateado, uma pessoa que tenho um apreço enorme…'', desabafou Benja. ''E eu por você'', seguiu tentando buscar o entendimento Pascoal.

''Eu tinha (apreço por você)'', declinou o apresentador.

''Eu tenho por você, mas quando descaracteriza…'', tentou se justificar o comentarista. ''Não descaracterizei ninguém'', rebateu Benja

''Eu me senti ofendido, Benjamin'', disse Pascoal ao colega.

''Então está bom, o senhor para mim morreu, não existe mais'', decretou o apresentador da FOX. ''Se tiver que fazer programa contigo, vou fazer. Agora, não conte comigo para nada. O senhor foi desrespeitoso, mal-educado'', desabafou.

''E você foi com todo mundo e ninguém pode falar nada? Disse que a nossa opinião não vale, no ar-condicionado, numa situação completamente adversa. Que que é isso, Benjamin? Se você se sentiu ofendido, peço desculpas a você'', repetiu o pedido ao apresentador, Pascoal. Em vão.

''Não, não quero, o senhor para mim morreu. Já que o senhor falou que eu desrespeitei, no ar-condicionador, se não entendeu, o que eu estou falando aqui é o seguinte: que é fácil a gente, sem estar na adrenalina, na pressão, julgar. O cara que está lá dentro, no meio de todo aquela confusão, é difícil, se você não entendeu.''

Depois o apresentador chamou o intervalo e o programa seguiu como se nada tivesse ocorrido, inclusive com Benja e Osvaldo emitindo comentários na mesa redonda esportiva, porém sem que um interagisse com o outro.

Procurada pela reportagem, o Fox Sports não respondeu a solicitação se uma atitude seria tomada devido à briga. O canal sequer se pronunciou sobre o ocorrido.

O desentendimento, porém, parece ter sido relevado pela dupla. No dia seguinte à discussão, Benja postou em sua conta no Instagram uma foto abraçado com o companheiro de trabalho.

Não adianta, aqui é amor kkkk!!! #foxsportsbrasil #fsradiobrasil

Uma publicação compartilhada por Benjamin Back (@benjaminbackoficial) em


Atualizada às 12h12