Blog UOL Esporte vê TV

Djalminha corneta Valdívia: ‘não acho esse craque que pintam’
Comentários 1

UOL Esporte

Ídolo do Palmeiras, Djalminha cornetou Valdívia durante o programa Seleção Sportv, apresentado por Marcelo Barreto, nessa quarta-feira.

“Ele é bastante discutível. Tem qualidade, mas não pode um jogador de uma importância grande para uma equipe jogar a quantidade de jogos que ele joga. Acho muito pouco, não tem sequência, machuca sempre. Fica difícil para uma equipe ser campeã com um jogador desse, porque na hora que você precisa não sabe se pode contar com ele'', disse o ex-jogador, que tem 47 gols em 88 jogos pelo Palmeiras

“Tem qualidade, mas também não acho esse craque todo que pintam. É um bom jogador, mas a falta desta sequência compromete muito. Ainda bem que o Palmeiras tem jogadores que podem suprir. Ano passado que não tinha, teve sufoco para se salvar do rebaixamento'', lembrou Djalminha, que municiou o ataque de 102 gols que sagrou-se campeão paulista de 1996.

Recuperado de dores no joelho que o tirou do primeiro jogo da decisão do Estadual contra o Santos, Valdívia voltou a treinar com time do Palmeiras, mas é dúvida para o jogo de volta na Vila Belmiro, no domingo, às 16h. Em 2015, o meia disputou apenas quatro partidas com a camisa alviverde.


Com ringue no estúdio, Ana Maria faz ‘perguntas da vovó’ a estrelas do MMA
Comentários 2

UOL Esporte

150431anamaria

Crédito: Reprodução/Rede Globo

A apresentadora Ana Maria Braga levou nesta quinta-feira ao programa Mais Você os irmãos Minotouro e Minotauro, além de Mauricio Shogun, estrelas do MMA. A visita dos lutadores era divulgar o TUF Brasil 4.

Perguntas que soariam como uma “ofensa” no mundo do MMA foram feitas naturalmente pela apresentadora. Para introduzir seus telespectadores (compostos majoritariamente por aposentados e donas de casa) às regras e curiosidades da modalidade, Ana Maria Sabe recorreu aos questionamentos comuns feitos pelos avós.

Sabe quando a avó questiona um tema com uma abordagem totalmente diferente? Pois bem, nesse ponto a apresentadora agiu com maestria, pois à sua frente tinha um grande obstáculo: atingir um público que jamais assistiu vale tudo e que desconhece completamente as regras.

A apresentadora teria de falar para um público que em sua grande maioria reprova brigas no ringue e que considera o MMA um “estímulo à violência”.

De forma didática e bem humorada, Ana Maria e os convidados tentaram desconstruir a ideia de que a modalidade é mera pancadaria.

“Sangrar significa que vai perder a luta?”, perguntou a apresentadora.

“Quando sangra o lutador fica muito preocupado?”

“Pode usar essa região [grade] aqui para se defender?”

“O que mais não pode de jeito nenhum na luta?”, prosseguiu.

“Como tecnicamente saberemos quando o cara [lutador] está na frente [na pontuação] mesmo não sabendo das regras?”.

Acompanhando a conversa, Louro José entrou na onda:

“Não pode atacar nenhum orifício. Orifício é sagrado”, arrancando risadas dos lutadores.

Convidado para ampliar a discussão sobre o tema, o ator Malvino Salvador (que tem uma filha com a lutadora Kyra Gracie) simulou golpes em Minotauro em um ringue instalado no estúdio do Mais Você.

Ao ver Malvino movimentando os braços e variando os golpes no “adversário” com velocidade, a apresentadora da Rede Globo lançou:

“Nossa, parece um gato”.

Em determinado momento da conversa, Malvino Salvador declarou que lutadores que praticam wrestling são especialistas em lutar no chão. Ana Maria interrompeu o ator com sutileza para perguntar:

“O que é westrling?”.


Queda de 51%: jogos de Palmeiras e Bota mostram ano duro da Globo na TV
Comentários 188

UOL Esporte

palmeiras_Sampaio

Tradicional noite de futebol na Globo, esta quarta-feira (29) foi diferente em metade do Brasil. No lugar da bola, quem apareceu na tela, em toda a região Sul, parte do Sudeste Centro-Oeste e Norte do país, foi “O Espetacular Homem Aranha”.

Sem jogos da Libertadores para exibir, e com dois jogos de limitado interesse pela Copa do Brasil (Sampaio Correia x Palmeiras e Capivariano x Botafogo), a emissora optou por oferecer programação alternativa em muitos centros importantes.

Além do filme, houve ainda Ceará x Bahia nos dois Estados, Salgueiro x Santa Cruz em Pernambuco e ASA x CRB em Alagoas.

Jogando com times mistos, Palmeiras e Botafogo devem derrubar a audiência da Globo nesta noite nos dois principais centros do país. Em São Paulo, principal praça, houve queda de 51% na audiência em relação à semana anterior, quando transmitiu o clássico São Paulo x Corinthians, pela Libertadores.

Esta não foi a primeira quarta-feira complicada para a Globo em 2015. Tendo que negociar rodada a rodada com a Fox Sports os jogos da Libertadores que exibirá, a emissora não está conseguindo montar a programação esportiva com a mesma facilidade de outros tempos.

A primeira rodada das oitavas de final do torneio sul-americano dá uma boa ideia das dificuldades da Globo. A tabela prevê todos os jogos, com exceção de um, ocorrido na terça-feira (28), entre os dias 5 e 7 de maio. O confronto entre Guarani e Corinthians, em Assunção, foi marcado para a quarta-feira, 6, às 19h45, exclusivo da Fox.

A Globo vai exibir, neste mesmo dia, às 22h, São Paulo x Cruzeiro. No dia seguinte, também com exclusividade, o SporTV mostrará Boca Juniors x River Plate.

Este será o terceiro jogo do Corinthians na Libertadores 2015 que a Fox exibirá sozinha, sem a companhia da Globo ou do SporTV. Para a emissora carioca, é uma má notícia, levando-se em conta o potencial de audiência oferecido pela equipe comandada por Tite.

A situação mostra o poder (leia-se, o investimento) da Fox na Conmebol, a entidade que manda no futebol sul-americano. Com muitos interesses na região, e agora bem estabelecido no Brasil, o canal está fazendo valer os seus interesses, obrigando a Globo a abrir mão de algumas de suas prioridades.

A maior “vítima” deste embate entre os dois grupos de comunicação tem sido o SporTV, que ficou com menos poder de fogo. O canal pago do grupo Globo tem exibido jogos menos atraentes para o mercado brasileiro.

Segundo dados consolidados do Ibope, o futebol na Globo em São Paulo marcou 15 pontos, contra 13 da Record com o programa do Gugu. SBT registrou 8.7 e Band, 2.7. No Rio de Janeiro, a partida Capivariano x Botafogo marcou 17 pontos.

Para se ter uma ideia do impacto negativo do futebol na grade desta quarta-feira, basta observar que “Babilônia'', exibida antes de Sampaio Correia x Palmeiras, marcou 29 pontos em São Paulo. Uma semana antes, exibindo São Paulo x Corinthians, a Globo registrou 31 pontos, enquanto “Babilônia” marcou 26. A queda na audiência do futebol na quarta-feira, em uma semana, foi de 51,6%.

Maurício Stycer
Crítico do UOL


Que gracinha! Como Hebe Camargo ajudou a carreira de Paulo Andrade
Comentários 25

UOL Esporte

paulo-andrade-narrador-dos-canais-espn-1430262133541_615x300

Narrar jogos de futebol era algo em que ele nunca havia pensado. Nem quando tinha um programa de samba em uma rádio comunitária. Muito menos quando começou a trabalhar em uma televisão no ABC. “Era um trabalho voluntário. Eu era comentarista e um dia, faltou o narrador. Fui obrigado a fazer”, lembra Paulo Andrade.

Fez e não gostou do resultado. Mas percebeu que tinha um dom. E que precisava correr atrás. “Narrar futebol é um dom. Eu tenho esse dom e fui aprimorando, percebi que era o que eu queria na vida”.

Começou a narrar incessantemente na TV voluntária. Não ganhava nada, mas conseguiu horas de áudio para gravar uma fita de dez minutos. “Como aqueles de jogadores de futebol. Só entrava o que estava bom”.

Com a fita pronta, passou a ligar. Não havia opção. Ligou para todas as possibilidades e não aceitava o pedido de enviar a fita. “Eu queria entregar em mãos. Queria que a pessoa visse nos meus olhos a minha vontade de ser narrador. Pedia cinco minutos da vida da pessoa. Fui para o Rio de ônibus para deixar minha fita com um diretor da Sportv”.

Fez algumas narrações de gol na TV Gazeta e nada. Foi então que Hebe Camargo ajudou.

Tia Célia, a madrinha, ouviu a Hebe dizer que o SBT estava montando uma equipe de esportes. Paulo ligou no dia seguinte e ninguém sabia de nada. Mandaram ligar uma semana depois. E depois, e depois. Mais uma vez. Foram oito ligações em um mês, sempre pedindo o departamento de esportes. A resposta era a mesma, com variações “não existe esse departamento, não conheço etc”.

Um dia, a telefonista disse: “um momento, vou passar”. Paulo Andrade nem acreditou. Mas foi em frente. Conseguiu a entrevista. E, dez dias, depois, a vaga.

Seria o narrador da casa, ao lado de Dirceu Maravilha. Houve ainda um teste. Chegou ao estúdio para narrar um tempo de um jogo da Holanda. Na sala, muitos executivos. Vestidos como executivos, o que assusta quem busca emprego. Paulo perguntou quem era aquela gente e soube que metade deles carregava o sobrenome Abravanel.

“Então, eu percebi que tinha três opções: saía correndo de medo, fazia uma transmissão de merda ou faria algo bom e mostraria que ali estava o narrador que eles queriam. Foi o que fiz, cresci na adversidade e consegui a vaga”.

Era 2004. Durou quatro meses, a equipe do SBT. Ficaram os elogios e a certeza de que a carreira iria deslanchar. Só faltava o convite para um novo trabalho. Convite que não veio.

Era hora de desistir do sonho. Sem emprego e prestes a casar, Paulo Andrade resolveu procurar emprego fixo, como publicitário. Chorando, comunicou a decisão à mãe, Selma.
Ela insistiu muito para que não desistisse. Por fim, conseguiu que ele continuasse na TV comunitária, uma vez por semana, sem ganhar nada, para não ficar longe da narração.

Paulo aceitou e quatro meses depois, antes de entrar no estúdio, recebeu um telefonema de um amigo. Ele disse que tinha informação que José Trajano iria ligar. E ligou. Perguntou se Paulo poderia ir terça, quarta ou quinta na ESPN conversar. A resposta foi rapidíssima. “Amanhã, estou aí”.

Trajano disse que precisava de alguém, mas que gostaria do Paulo Andrade do início do SBT e não do final do SBT. Em quatro meses, ele havia sido muito pressionado para gritar bastante nas transmissões. Grito significaria audiência, o que não se confirmou.

“Percebi que o Trajano havia estudado meu trabalho. Fiquei feliz, fiz o que ele queria e estou aqui há 11 anos”.

No ano passado, fez a transmissão mais triste da vida. Os 7 a 1 da Alemanha contra o Brasil. Gritou todos os gols alemães. “Talvez houvesse um, só um, torcedor alemão vendo o jogo. Esse cara merecia meu profissionalismo. E teve”.

E vai continuar assim, seja o campeonato que for. “Outro dia, escrevi no Twitter que estava em Campina Grande para Campinense x Grêmio e os leitores começaram a me consolar, uns, e a ironizar, outros. Falavam que eu já estive no Bernabéu e agora estava em Campina Grande. Para o meu trabalho, não muda. Repito o mesmo processo sempre. Busco informação e trabalho sério”.

Desde então, acabou virando a voz do canal na Liga dos Campeões.

E o principal torneio de clubes da Europa perderá um telespectador fiel na próxima temporada. Pelo menos na fase de grupos, explica Paulo Andrade, que narrou todas as finais da competição de 2008 até 2015 (no próximo dia 6 de junho).

“Não vou conseguir ver. Estou ainda assimilando essa separação. Utilizando uma comparação de mau gosto, é como se eu tivesse perdido um parente querido e ainda não tivesse aceitado”, diz o narrador da ESPN, que perdeu os direitos de transmissão para o Esporte Interativo a partir da temporada 2015/2016.

De certa forma, a Liga dos Campeões é a cara da ESPN. E Paulo Andrade ficou marcado como a voz da Liga. Ele concorda com a análise, mas diz que não ficará preso ao passado.
“Não vou ser viúva da Liga. A vida continua e vou fazer outros eventos na ESPN”, diz.

O Inglês, por exemplo. “Eu sou um narrador e vivo de eventos. Tudo ficou claro com a direção da casa quando renovei contrato até 2018. Também apresento, mas sou essencialmente um narrador. Se eu for um narrador nota sete, sou um apresentador nota quatro”, analisa.

Seja qual for o evento, Paulo Andrade não abrirá, nunca, mão de um desafio e de uma rotina.

A rotina é o trabalho de preparação para o jogo. Ele estuda os times pelo menos três horas e faz todo um resumo de informações.

Nada é impresso. Tudo é escrito em folhas de sulfite, sem linhas, com uma letra minúscula. Depois, os temas sublinhados com caneta marca-texto.

“Se o jogo está ruim, coloco informação para o ouvinte. Todo meu trabalho tem essa mescla de narração e informação”, afirma.

O desafio é sempre dizer o nome do autor do gol antes de a bola entrar. Não tem bordão e nem precisa gritar gol. Mas o telespectador precisa saber quem fez.

Por exemplo: “Marcelo cruza, Neymaaaar. Gol do Barcelona”. Quando Paulo Andrade grita gol, Neymar já está correndo para comemorar, mas quando gritou Neymaaaar, a bola ainda não havia entrado.

“Este desafio é baseado em José Silvério, o melhor narrador de todos os tempos. Cresci ouvindo Silvério na Pan e ouço agora na Bandeirantes. Ele fala antes e eu também”, diz.
Paulo Andrade gosta também de explicar um pouco do jogo nas narrações. Fruto de seu tempo como jogador. “Joguei na base do Corinthians, da Portuguesa e de outros times. Até os 19 anos, quando parei. Fui estudar publicidade”, conta o narrador, hoje com 34 anos.

Veja Álbum de fotos


Reportagem de Luis Augusto Símon


Desde a queda em 2012 Palmeiras não atingia atual sequência na Globo
Comentários 85

UOL Esporte

PALMEIRAS X SANTOS

Crédito: Ricardo Nogueira/Folhapress

O Palmeiras voltará à tela da Globo nesta quarta-feira na partida contra o Sampaio Corrêa e quebrará uma marca que já durava 29 meses. Desde novembro de 2012, o time não atingia três partidas transmitidas em sequência pela emissora carioca. Neste período, o Palmeiras entrou em campo 154 vezes. Nos últimos dias, o canal exibiu os clássicos do time alviverde contra Corinthians (em 19 de abril) e Santos (26 de abril).

O fato não se repetia desde a reta final do Brasileirão de 2012, quando o Palmeiras tentava escapar do rebaixamento. Naquela ocasião, a Globo transmitiu quatro jogos da equipe paulista: diante de Internacional, Botafogo, Fluminense (marcado pelo título do time carioca) e Flamengo, que selou a queda palmeirense. A sequência de transmissões na emissora será igualada no próximo domingo, na segunda final do Campeonato Paulista, diante do Santos.

Neste ano, antes da atual sequência, a Globo exibiu apenas três jogos do Palmeiras, todos clássicos: contra Corinthians (8 de fevereiro), Santos (11 de março) e São Paulo (25 de março). Com os quatro jogos seguidos, o time alviverde chegará a sete transmissões em 2015.

O Corinthians está na frente no números de aparições na Globo este ano, com 15 jogos. O São Paulo soma 11 partidas e o Santos, duas. A equipe corintiana teve no máximo uma sequência de três confrontos (as duas partidas contra o Once Caldas na pré-Libertadores e o clássico contra o Palmeiras, no começo de fevereiro). O São Paulo também chegou à marca quando a Globo transmitiu os jogos diante de Danubio, Rio Claro e Corinthians, entre o fim de fevereiro e o início de março.

Copa do Brasil

O Palmeiras será o único time paulista (entre os quatro grandes) a entrar em campo nesta quarta-feira. Os jogos das oitavas de final da Libertadores serão disputados a partir da semana que vem. O Santos só enfrentará o Maringá pela Copa do Brasil no próximo dia 6.

No ano passado, nenhuma equipe paulista disputou a Libertadores. No dia 7 de maio, a Globo optou por transmitir uma partida do São Paulo (contra o CRB) no Morumbi a um jogo do Palmeiras fora de casa — ambos foram disputados às 22h. Curiosamente, o time alviverde enfrentou o mesmo Sampaio Corrêa, também na segunda fase. Na semana seguinte, o jogo do Palmeiras contra o time do Maranhão foi transmitido. O Corinthians, naquela oportunidade, disputou um amistoso contra o Atlético-PR às 19h30.

Em 2014, o Palmeiras chegou a 22 partidas sem transmissões da Globo, de 27 de julho a 25 de outubro. Nas duas datas, o time alviverde enfrentou o Corinthians. No dia 17 de agosto, a emissora deixou de exibir o clássico Palmeiras e São Paulo para transmitir a partida Cruzeiro e Santos. Em 19 de outubro, o confronto do time alviverde com o Santos foi trocado por Inter e Corinthians.

Depois, em 16 de novembro, a Globo optou por Bahia e Corinthians em vez do confronto entre palmeirenses e são-paulinos. O Palmeiras voltou à tela da emissora carioca somente na última partida do Brasileirão, quando empatou por 1 a 1 com o Atlético-PR no Allianz Parque — na partida, o time escapou do rebaixamento.

Sequência do Palmeiras na Globo em 2012

Flamengo 1 x 1 Palmeiras (18 de novembro)
Palmeiras 2 x 3 Fluminense (11 de novembro)
Palmeiras 2 x 2 Botafogo (4 de novembro)
Internacional 2 x 1 Palmeiras (27 de outubro)

Sequência do Palmeiras na Globo em 2015

Santos x Palmeiras (3 de maio)
Sampaio Corrêa x Palmeiras (29 de abril)
Palmeiras 1 x 0 Santos (26 de abril)
Corinthians 2 x 2 Palmeiras (19 de abril)


Tas volta a “cornetar” Ceni e diz que goleiro impediu surgimento de ídolos
Comentários 149

UOL Esporte

8809

Mais uma vez o apresentador Marcelo Tas resolveu “cornetar'' o goleiro Rogério Ceni. Depois de ironizar o jogador do São Paulo, quando ainda estava no CQC, por causa de uma adiantada em pênalti no Paulistão de 2013, desta vez ele disparou contra o excesso de zelo do ídolo são-paulino.

“Eu sei por que ele (Milton Cruz) não quer ser técnico: porque o São Paulo já tem um técnico, e o Sabella sabe disso, que é o Rogério Ceni. Nenhum técnico em sã consciência vai pegar um time onde ele não pode mandar”, disparou Tas durante sua aparição no programa Redação Sportv.

“O Rogério, para mim, prejudicou o São Paulo no momento que poderia ser mais legal da vida dele, que era coroar a carreira brilhante dele no futebol, mas ele ocupou um espaço que prejudicou o São Paulo. Para mim, ele causou um eclipse no time do São Paulo ao prorrogar uma carreira que era para ter terminado dois, três anos atrás”, complementou.

Para o apresentador, que não esconde sua torcida pelo Santos, a prolongada carreira do atleta de 42 anos imepdiu não só que outros goleiros surgissem no time, como também ofuscou o surgimento de novos ídolos no São Paulo.

“Tem muito são-paulino que ficava irritado quando eu falava isso. Hoje percebo que são vários que percebem que não é uma questão de implicância com o Rogério, mas de ver que ele ‘eclipsou’, como eu falei, o surgimento de muita gente”, analisou Tas.

“Deixaram de surgir no São Paulo muitos líderes, centroavantes, atacantes, ídolos, porque o lugar é dele, todo mundo vai com a camisa dele para o estádio. Se ele tivesse tido a grandeza de sair antes, teria colaborado mais com time”, acrescentou o apresentador.


ESPN exibe competição de videogame e gera polêmica nos EUA
Comentários 1

UOL Esporte

Heroes-of-The-Dorm-Finals-Screenshot

Se você reclama quando os canais esportivos transmitem jogos de pôquer, imagine como seria assistir um campeonato de videogame em plena TV. Os telespectadores norte-americanos tiveram essa experiência na ESPN 2, que quebrou mais uma barreira. Em plena noite de domingo, o canal optou por transmitir a final de “Heroes of the Dorm”.

Com playoffs da NBA e NHL em plena disputa, jogos da MLS e da MLB também acontecendo, os assinantes da ESPN norte-americana não gostaram nada de ver um torneio de videogame na televisão e reclamaram bastante através das redes sociais.

A competição de videogame era baseada no jogo “Heroes of the Storm”, sendo realizada com múltiplos jogadores que estavam lutando por lucrativas bolsas de estudos universitários.

Veja o que os telespectadores da ESPN falaram no Twitter:

Tyler Batiste (@TyBatiste) – Não tinha NADA para colocar no ar na ESPN2? Não acredito que um torneio de videogame foi a primeira opção, certo?

Michelle Beadle (@MichelleDBeadle) – Caí na deles. Acabo de ligar na ESPN 2. Como alguém que acompanha o canal diariamente, não tenho resposta pelo que está acontecendo.

Robert Flores (@RoFloESPN) – Hoje teremos “Heroes of The Dorm'', amanhã será #madden e @NBA2K. Faça isso acontecer @espn

Jimmy Durkin (@Jimmy_Durkin) – Liguei na ESPN2 por 60 segundos e tive uma nova experiência. Videogames na TV é ridiculamente estúpido. E quem é a Universidade de Arizona?


Denilson leva ‘rolinho’ e discute com juiz em jogo da imprensa
Comentários 45

UOL Esporte

150427denilson

O comentarista Denilson, da Bandeirantes, se revoltou em partida válida pelo campeonato dos cronistas esportivos de São Paulo (Copa Aceesp). Ele foi advertido pela arbitragem na derrota da TV Bandeirantes contra o time da Assessoria de Imprensa, 2 a 1, na noite de segunda-feira.

No torneio, o cartão amarelo deixa o atleta fora por 2 minutos com direito a substituição.

A falta feita por Denilson resultou em tiro livre direto (a partir da sexta infração). A Assessoria marcou o gol no tiro livre, desempatando a partida.

Irritado com a infração assinalada pelo árbitro, o comentarista da Band e os demais companheiros de equipe pressionaram a arbitragem alegando que não houve falta no lance que originou o tiro livre. A discussão foi ríspida, mas sem agressão física.

O cartão que Denilson recebeu ocorreu pouco depois dele levar “rolinho” do adversário.

“Machuquei meu joelho ontem. Serão 3 meses sem jogar bola”, sorriu Denilson nesta terça de manhã, muito mais calmo e já fazendo brincadeiras, durante o programa Jogo Aberto.

O jogo ocorrido no Nacional, na Barra Funda, foi tenso e violento. As equipes da Bandeirantes e da Assessoria são favoritas ao título.

“Eles [árbitros] Querem chegar em casa e falar: ‘Não marquei nenhuma falta no Denilson. Parabéns, conseguiram”, reclamou o comentarista ainda em campo.

A competição reúne jornalistas e ex-jogadores que atuam em transmissões esportivas. Além de Denilson, participam da Copa Aceesp os comentaristas e ex-atletas Caio Ribeiro, Vampeta e Sorín.


Galvão explica selinho em Bial após brincadeira de Arnaldo no SporTV
Comentários 10

UOL Esporte

Galvão dá selinho em Pedro BIal (Reprodução/TV Globo)

Galvão dá selinho em Pedro BIal (Reprodução/TV Globo)

O narrador Galvão Bueno explicou o selinho dado em Pedro Bial nos bastidores do Jornal Nacional. O locutor teve a oportunidade de falar sobre no programa Bem, Amigos, do SporTV!.

“Foi um selinho, o Bial é um querido amigo. A gente faz isso com carinho, foi uma brincaderia. Acabou passando na Globo News e as brincadeiras foram as mais saudáveis possíveis. No final, demos um abraço no palco. Todo mundo sente que cada um fez parte dessa história (da Globo) Bial, beijo para você”, falou Galvão.

A explicação veio logo após brincadeiras de Arnaldo Cézar Coelho, comentarista de arbitragem que também participou do programa. O comentário do ex-árbitro divertiu todos que estavam na atração.

“Foi uma coisa legal, de carinho. Você apareceu nas redes sociais dando um estalinho no Bial'', disse Arnaldo com dúvida se o certo era “estalinho ou selinho''

Apesar de ter acontecido nos bastidores da gravação do especial do Jornal Nacional, o selinho foi exibido na Globo News. O beijo passou no programa Globo News Documentário.


Casagrande detona pose de Dudu em pênalti perdido: “olha essa corridinha”
Comentários 31

UOL Esporte

O comentarista Casagrande se revoltou com a cobrança de pênalti de Dudu na partida entre Santos e Palmeiras no Allianz Parque. Depois que o atacante errou a penalidade, o ex-jogador começou a criticar o excesso de pose feito na batida.

“Eu tenho observado pênaltis há algum tempo. É muita pose. Olha essa corridinha. Vai lá e bate, meu. Ele olha para o goleiro enquanto corre para a bola, é muito rápido ali, você tem de escolher um canto e bater. Olhar para o goleiro enquanto corre é coisa para Zico, Sócrates, não para Dudu”, falou Casagrande.

A penalidade perdida por Dudu foi observada com calma no replay da Globo mostrando toda a corrida que o jogador fez para realizar a cobrança.

Mauro Naves, que também participava da transmissão, também deu uma cutucada em Dudu ao falar que Robinho não viu a cobrança. “Robinho foi o único que não viu o charme do Dudu”, disse.

O pênalti perdido por Dudu poderia ter dado o segundo gol para o Palmeiras contra o Santos.